Neuropsicologia e aprendizagem
11 setembro 2017 |
Compartilhe:

Através do cérebro, sentimos tristeza ou alegria. Também por meio de seu funcionamento, somos capazes de aprender ou modificar nosso comportamento, à medida que vivemos. Os processos de pensamento, atenção ou capacidade de julgamento são frutos do funcionamento cerebral.

O Sistema Nervoso Central faz o contato (interação) com o meio externo, recebendo e exteriorizando informações. A história de vida, a genética e as vivências fazem com que não existam dois cérebros iguais entre os seres humanos.

O cérebro desenvolve–se durante a infância e adolescência, e as trocas com o ambiente externo são importantes para a estimulação do mesmo. O ambiente que acolhe é também o ambiente que ensina – e assim aprendemos. A aprendizagem é um elemento intrínseco à condição humana. Aprendemos a todo momento, em um processo de interação permanente com o meio em que vivemos. A plasticidade cerebral é maior nos primeiros anos de vida, e permanece de forma diminuída por toda vida.

Alguns problemas de aprendizagem iniciam na infância, como a dislexia, a hiperatividade (TDAH) e outros. A dislexia relaciona-se com a dificuldade de leitura, e ocorre em indivíduos com inteligência normal. Ler é um pouco mais difícil que falar. Outro problema que costuma trazer alterações na capacidade de aprender é o TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade). Nos vários tipos de TDAH, a atenção, controle emocional e motivação geralmente são afetados. Outro sintoma frequente é a dificuldade de socializar em grupos, que pode levar ao isolamento.

A avaliação neuropsicológica auxilia no entendimento e conhecimento dos transtornos de aprendizagem, ajudando a identificar forças e fraquezas a serem trabalhadas em reabilitação cognitiva, psicoterapia, escola e família. Por isso, a importância da comunicação entre escola e família.

 

Mônica Gonçalves

Psicóloga CRP/RS 26549