Saúde
Campanha de vacinação contra a Influenza é prorrogada até dia 15 de junho
7 junho 2018 | Saúde
Compartilhe:

Ibirubá – O Ministério da Saúde (MS) prorrogou a Campanha de Vacinação Contra a Influenza até 15/06/2018. A Campanha iniciou em 23/4 e deveria terminar ontem, dia 1º. O MS considerou algumas situações: feriado de Corpus Christi, o ponto facultativo no dia 1º (pós-feriado) em grande número de municípios, a dificuldade de locomoção da população em virtude do desabastecimento de combustível e o não atingimento da meta de cobertura vacinal.

Em Ibirubá, a vacina continua disponível para os grupos elegíveis a receberem a dose anual, nas Unidades de Saúde. O atendimento se das 8h às 11h e das 13h30min às 16h30min. Usuários deverão levar as cadernetas de vacinação e do SUS, se tiver.

Neste ano, a meta do município é alcançar 6.390 pessoas, dentro dos grupos eletivos pelo Ministério da Saúde (MS). O alerta vai para crianças e gestantes, pois até semana passada Ibirubá estava com pouca procura desses grupos, abaixo da meta.

Vacinação contra a gripe

A vacina é a principal forma de proteção anual contra os vírus da gripe. De uma forma bem simples, a vacina introduz no ser humano o vírus morto da gripe. Com sua presença, o organismo é estimulado a desenvolver imunidade contra a doença.

São três os vírus principais em que a vacina dá a imunidade, o H1N1 (gripe suína), o B e o H3N2. A dosagem é anual porque a vacina tem prazo de validade, pois a imunidade acaba e porque os vírus sofrem mudanças biológicas ao longo do tempo.

O protocolo do MS orienta que a vacinação seja feita o quanto antes, entre abril e maio, para que a pessoa esteja bem protegida nos principais meses de inverno. Com as baixas temperaturas, o organismo fica mais suscetível às infecções respiratórias, principalmente os grupos prioritários que o Ministério da Saúde elegeu e para os quais disponibiliza a vacina gratuitamente. Após tomar a dose, a vacina começa a fazer efeito entre 15 a 28 dias.

Precauções e contraindicações

Recomenda-se adiar a vacinação se a pessoa está acometida por doenças agudas febris moderadas ou graves, até resolução do quadro. Em caso de ocorrência de Síndrome de Guillain-Barré (SGB), no período de até seis semanas após uma dose anterior, recomenda-se realizar avaliação médica. Segundo estudos, as contraindicações são para pessoas com histórico de reação anafilática prévia em doses anteriores, bem como a qualquer componente da vacina e de reação alérgica grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados.

Reações

Em algumas poucas pessoas, a reação da vacina é local, um pouco de dor ou algum edema. Às vezes, a própria reação da imunidade da pessoa provoca um quadro semelhante à gripe durante o processo numa minoria de pessoas. Mas, há muita inverdade circulando por aí. Ao tomarem a vacina, algumas pessoas falam que ficaram engripadas. São três vírus que esta vacina contempla, quando se sabe que há centenas de vírus que circulam no mundo todo. Não é porque a pessoa fez a vacina que não terá gripe. Pode ser que tenha um quadro de gripe por um outro vírus. Mas os três vírus desta vacina são os mais agressivos, podem levar a complicações mais sérias ou até a óbito. Se fez a vacina e teve gripe, a doença não evoluiu, não havendo complicações, internação ou óbito. (Magda Pimentel/Assessoria de PM)