Saúde
Casos de dengue não foram confirmados em Ibirubá
25 março 2019 | Saúde
Compartilhe:

Aedes aegypti: índice de infestação do mosquito revela descaso

Para relembrar: segundo dados do Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), realizado nas últimas semanas no município, a infestação de mosquitos em Ibirubá chega a 11,7%. Valores maiores ou iguais a 8% são considerados como altíssimo risco, entre 4% e 7,9% alto risco, entre 1% e 3,99% alerta e somente índice igual ou menor de 1% indica situação satisfatória.

A Vigilância Sanitária, vinculada à Secretaria Municipal de Saúde, informou que os três casos com suspeita de dengue na cidade deram resultado negativo. Porém, isso não descarta o cuidado da população, que deve manter precauções diárias para eliminar o mosquito. O combate não pode ocorrer apenas em determinados períodos, deve ser contínuo.

Segundo a Secretaria da Saúde, a incidência de chuvas e o forte calor facilitam a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, febre amarela, zika vírus e febre chikungunya. Na cidade, a infestação está elevadíssima em todos os bairros. No estado, 321 municípios gaúchos são considerados infestados pelo mosquito, o que equivale a 64,5% do total.

A secretária da Saúde Dileta Pavão das Chagas destaca que os munícipes precisam redobrar os cuidados. De acordo com ela, cada pessoa deve verificar sua residência e seu local de trabalho: se encontrar possíveis criadouros de mosquitos, elimine-os.

Os agentes de epidemias do município enfatizam que, nas visitas a estabelecimentos comerciais, indústrias e residências, é possível verificar que a maioria não têm levado a conjuntura a sério. E, mesmo que existam leis regulamentando o cenário, os cuidados não são realizados pela população.  É importante salientar, ainda, que em comparação a outros anos, o índice de infestação é dez vezes superior. Essa constatação revela descaso acerca de um conjunto de doenças que podem levar até mesmo à morte.

Mosquito: Para identificar: com hábitos diurnos, o mosquito Aedes aegypti tem, em média, menos de um centímetro de tamanho. É escuro e possui riscos brancos nas patas, cabeça e corpo. Ao se reproduzir, ele precisa de locais com água parada, onde deposita os ovos.

A Secretaria de Saúde faz recomendações para evitar a reprodução do mosquito:

  • Tampar caixas d’água, tonéis e latões.
  • Guardar garrafas vazias viradas para baixo.
  • Guardar pneus sob abrigos.
  • Não acumular água nos pratos de vasos de plantas e enchê-los com areia.
  • Manter desentupidos ralos, canos, calhas, toldos e marquises.
  • Manter lixeiras fechadas.
  • Manter piscinas tratadas o ano inteiro.