Saúde
É impossível agradar a todo mundo!
26 novembro 2018 | Saúde
Compartilhe:

Quando qualquer pessoa nasce precisa aprender a lidar com as expectativas da família sobre que pessoa será, adequar-se às demandas da sociedade e arcar com as consequências da infinidade de escolhas que são feitas ao longo da vida. Durante a infância os pais tentam ensinam valores aos filhos para ser uma boa pessoa, incluem na escola para receber educação formal e aprender a conviver com diferentes sistemas, e vai com tudo isto desenvolvendo os seus próprios pontos de vista sobre o mundo. E ainda há exigências sociais para atender aos padrões do que hoje se considera ser saudável e bem sucedido. As motivações que levam a criança a aprender a se comportar adequadamente são simples: a busca pelo amor dos pais e o medo de perder este amor. Todos os aprendizados no início da vida são motivados pelo amor.

Desde os primeiros anos de idade as crianças tentam agradar a seus pais, em suas mais comuns exigências: há que ser uma boa criança, ter bom comportamento, aprender muitas coisas novas, desenvolver-se, preparar-se para o futuro profissional. No entanto, parte das expectativas dos pais é atravessada por seu narcisismo, que, inconscientemente, pode querer realizar através dos filhos tudo aquilo que lhe foi frustrado ou impedido em sua infância. Podem ter idealizado um filho perfeito, e diante das dificuldades dos pequenos, das suas imperfeições, não suportar esta frustração, gerando um ciclo de recriminação, de exigências além do que é possível alcançar, provocando profundas feridas no filho. É bem possível que, examinando a história destes pais, passaram pelo mesmo ciclo e por não darem-se conta, põem-se a repetir, na tentativa de ressignificar as dores que lhes deixaram marcas.

No entanto, alcançar a aprovação total é realmente impossível. Mas muitas pessoas continuam tentando alcançar este lugar imaginário para sentir alguma paz e segurança sobre quem são. Adiando seus sonhos, estas pessoas vivem em função de uma imagem distorcida de si mesmos, inflada ou profundamente diminuída desistindo de realizar-se em seus objetivos. Em geral estas pessoas que vivem no funcionamento do ego ideal, um funcionamento infantil dos tempos em que o temor da perda do amor dos pais era o que regia suas ações e escolhas, por sentir uma fragilidade no vínculo devido a seus próprios traumas e aos fantasmas parentais. Nunca conseguem alcançar o seu ideal de agradar a todo mundo, e vez ou outra acabam adoecendo, com distúrbios depressivos e melancólicos, disfunções da autoimagem e baixa autoestima, manifestos de diversas formas. As reprovações seguidas impostas pela família produzem sérios danos ao psiquismo do sujeito, que acaba produzindo um falso self, uma forma adaptativa de conviver com as exigências e com as frustrações, em uma máscara de que está tudo bem, que se é muito forte, que não se abala, e um processo de tratamento analítico permite desconstruir os velhos ideais aprendidos durante a primeira infância para alcançar um ideal de ego, uma expectativa dentro das condições da realidade.

Por fim, há um jeito de ter uma vida satisfatória e feliz: prezar pela manutenção das verdadeiras boas amizades, seguindo em busca de descobrir quais suas verdadeiras aspirações, e apenas quem é realmente importante precisa estar ao seu lado, quem respeita suas particularidades e se mantém fiel durante os bons ou difíceis episódios. Celebrar as vitórias ao lado de quem se ama e recebendo apoio nas situações conflitantes, sem precisar manter uma aparência que não condiz com o seu verdadeiro eu – que muitas vezes precisa ser ainda descoberto! Neste momento pode-se buscar auxílio através da psicanálise, para reconstruir a verdadeira identidade, tornando mais leve o caminho em direção à realização de metas e sonhos.

 

Carolina Camara Soares Pasinato

Psicóloga e psicanalista, membro associado da Sigmund Freud Associação Psicanalítica; Especialista em Gestão de Recursos Humanos e Avaliação Psicológica (UPF). Atuação em psicanálise para crianças, adolescentes e adultos, supervisão clínica, orientação profissional e de carreira, grupos de estudo, diagnóstico organizacional e palestras para desenvolvimento de pessoas