Emater/RS-Ascar apresentou projeto de segurança
4 outubro 2019 |
Compartilhe:

Expectativa é expandir ação aos 14 municípios do 16º BPM

A Emater/RS-Ascar apresentou no dia 27/9, na Comunidade de Capela Fátima, em Ibirubá, um Projeto Piloto, para levar mais segurança às famílias do meio rural. O objetivo do projeto de georreferenciamento é melhorar a efetividade do serviço de segurança pública oferecido aos agricultores pela Brigada Militar.

O evento contou com a presença de autoridades e moradores das localidades de Capela Fátima, Guamirim, Passo dos Miguel e São Sebastião. Nessa semana foi a vez das comunidades de Alfredo Brenner, Linha Um, Linha Duas, Linha Três e Monte Castelo conhecerem a prposta.

Volmir Giacomolli, gerente da Sicredi, entregou dois aparelhos GPS para os órgãos de segurança pública. Além disso, a Coprel e a Triway, através de Luis Fernando Volpato explanou sobre a importância da internet no interior para o desenvolvimento das comunidades e o sucesso de implantação do programa.

Na prática

O projeto piloto está sendo implantado em Ibirubá e Colorado e consiste basicamente em registrar todas as estradas do interior do município em um mapa. Este, juntamente com um ponto de referência da propriedade rural, são transferidos para um equipamento de GPS (Sistema de Posicionamento Global). Toda vez em que o agente policial necessitar atender um chamado, poderá se guiar pelo mapa do GPS, sem perder tempo na busca de informações com terceiros durante o trajeto até a propriedade rural.

Dentre os crimes mais praticados por bandidos nas propriedades rurais estão o abigeato (furto de animais) e roubo de agrotóxicos.

O equipamento irá fazer uma rota de deslocamento, de forma que o tempo de resposta seja mais rápido, ganhando eficiência no deslocamento, no tempo de atendimento e, consequentemente, na redução de custos. Além de policiais militares, a iniciativa poderá agilizar o deslocamento de outros profissionais, como agentes de saúde e bombeiros.

 

Papel da Emater

Segundo o chefe da Emater em Ibirubá, Oneide Kumm, “a Emater trabalhou com as demais entidades prestadoras de serviços e os órgãos oficiais relacionados à segurança pública do município como uma entidade articuladora. Percebíamos que os produtores reclamavam muito e sentiam uma forte insegurança, e muitos até instalaram sistemas de videomonitoramento”, destacou ele.

As secretarias de Obras e Agricultura apoiaram a Emater no mapeamento das rotas, assim como na identificação dos pontos de interesse, as propriedades.

Funcionamento

“Como agora existem as rotas, cada propriedade recebeu um código, por exemplo IBI 156 e caso haja alguma ocorrência nessa propriedade, a pessoa entra em contato com o órgão, e diz o seu código. O agente pega esse código e encaminha para uma central, que manda o código para o GPS da viatura, que automaticamente seleciona o melhor caminho, com as melhores estradas e o mais rápido para que o agente chega lá o mais rápido possível para atender a ocorrência” destacou Kumm.

Em Ibirubá são cerca de 1,7 mil pontos de interesse em 42 comunidades do interior, espalhados pelos mais de 60 mil hectares do município, ou seja, cerca de 1,7 mil propriedades rurais, sejam elas de pequeno, médio ou grande porte, residências ou apenas um galpão.

“O único custo que o produtor terá é a instalação de uma placa padrão para a identificação, com o seu código, para que o agente de segurança chegue no local e perceba se é mesmo a propriedade. Além disso, é claro, o custo de manutenção”, finalizou Oneide.