Ibirubá
Escoteiros realizaram atividades cívicas em comemoração a Semana da Pátria
9 setembro 2017 | Ibirubá
Compartilhe:

O Grupo de Escoteiros Pitangueira do Mato de Ibirubá realizou durante todo o domingo diversas atividades cívicas em comemoração à Semana da Pátria, a qual se encerrou na última quinta-feira, 7 de seetembro. Logo pela manhã, aconteceu o hasteamento das bandeiras junto ao altar da Pátria na Praça General Osório. Logo após, os escoteiros deslocaram-se para a sede da entidade, localizada no Bairro Pôr do Sol, onde, juntamente com o Grupo de Escoteiros Coronel Selbach, realizaram atividades de rapel.

Após o almoço de confraternização com os pais, ocorreu o encerramento das atividades, às 15h, quando foi realizada a saudação à bandeira.

Ao serem questionados sobre o que pensam sobre o atual momento em que vive o país, de frente para a bandeira do Brasil, os escoteiros expuseram algumas opiniões acerca do assunto. A seguir, alguns trechos transcritos sobre a opinião do grupo:

  • “Acreditamos que o Brasil não vai muito bem. Ultimamente, as palavras Ordem e Progresso não fazem sentido algum. A política, a sociedade, a economia… nenhuma está estável. Por isso, a bandeira perdeu a sua cor, sua essência. Também podemos dizer que esta perda é o resultado do desmatamento da nossa natureza, considerada a mais rica de todo o mundo. Esperamos melhorias na educação e outros meios da sociedade, melhorias na economia e uma política com menos corrupção e que pense mais no povo”.
  • “A crise social e econômica trouxe à tona o assunto “Programas Sociais Governamentais”, que tem o objetivo de encontrar a própria solução. Porém, a desonestidade política impede o funcionamento desses programas, e, de algum modo, a sociedade clama por uma fiscalização de qualidade. E tal fiscalização também não é honesta. De volta ao início. Mas, não é problema apenas da voz política. É igualmente do brasileiro. Os benefícios são governamentais e hereditários, o que atrasa o desenvolvimento econômico. Essa má formação não se cura com a venda e desapropriação da cultura, nem mesmo da natureza. É nestes momentos que necessitamos de segurança, ordem e progresso. Pois, afinal, o Brasil é um grande potencial.”