Saúde
Idosos: atenção para os perigos com as ondas de calor
21 janeiro 2019 | Saúde
Compartilhe:

A água é essencial à vida. Nosso corpo é composto de 70% de água e todas as funções orgânicas dependem dela no verão. Com o aumento das temperaturas, perdemos grande quantidade de água pela transpiração, o suor, o que torna mais evidente a necessidade de aumento de ingestão de água. Além da água natural, todos os alimentos, principalmente as frutas, contém água; portanto, sucos, e inclusive o nosso tradicional chimarrão, fazem parte do contingente de água ingerida.

Os idosos são um caso à parte. Nessa população, em especial acima dos 75 anos, há uma redução do centro da sede localizado no cérebro. Afirmamos em razão disso que todo o idoso é um desidratado crônico e tem grande resistência ao consumo de água. Logo, essa população tem que ser vigiada quanto ao consumo de água.

Parentes e cuidadores de idosos devem oferecer com frequência água e líquidos ao idoso, sob pena de desidratação e adoecimento (queixas como perda de força e cansaço). Lembre-se: o idoso não pede água. Ofereça! Principalmente nos meses de verão.

Nas pessoas da população em geral, com mais atividade e exercícios físicos e exposição ao sol (crianças nas praias, etc.), o consumo de água e sucos de ver ser aumentado. Nunca sacie a sede com refrigerantes; são danosos à saúde e têm alto teor de sódio (sal). Tome água potável, de preferência da torneira; águas engarrafadas contêm conservantes. Ao andar na rua ou realizar caminhadas, leve uma garrafa com água potável. E cuide também dos alimentos que consome: muitos são perecíveis e passíveis de contaminação bacteriana no verão quando mal acondicionados; alimentos in natura são mais saudáveis.

 

Luiz Alende

Clínica Geral, especialização em Geriatria