Marcha das Margaridas 2019 começa amanhã
12 agosto 2019 |
Compartilhe:

A cada quatro anos, milhares de mulheres trabalhadoras rurais do Brasil se unem para participar da Marcha das Margaridas. Desde o ano de 2000, a manifestação pacífica busca mais direitos para a classe. A ação é organizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e acontece em Brasília, sempre no dia 12 de agosto. A data escolhida lembra a morte da trabalhadora rural e líder sindicalista Margarida Maria Alves, assassinada em 1983 quando lutava pelos direitos dos trabalhadores na Paraíba.

A primeira edição, em 2000, reuniu cerca de 20 mil agricultoras, quilombolas, indígenas, pescadoras e extrativistas de todo o Brasil. O movimento é marcado pelas camisetas lilás e pelos chapéus de palha decorados com margaridas usados pelas manifestantes. A marcha se repetiu nos anos de 2003, 2007, 2011 e 2015 e agora, em 2019. A 5ª edição contou com cerca de 100 mil manifestantes, segundo a organização.

Na  terça-feira, 46 mulheres da região do Alto Jacuí se juntarão a milhares de mulheres do campo, da floresta e das águas de todo o Brasil e de outros 26 países. A marcha ocorre nos dias 13 e 14, a maior ação estratégica protagonizada pelas mulheres na América Latina.

Neste ano o lema é “Margaridas na luta por um Brasil com soberania popular, democracia, justiça, igualdade e livre de violência”. Ao longo de suas edições, a Marcha tornou-se um importante espaço e estratégia de conquista de visibilidade, reconhecimento social, político e cidadania plena.

A 6ª Marcha é realizada pela Confederação, as 27 federações da Contag e mais de 4 mil Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STRs) de todo o país, em parceria com 16 organizações sociais, entre movimentos feministas e de mulheres trabalhadoras, centrais sindicais e organizações internacionais.

Segundo a presidente do STR de Quinze de Novembro, Sirlei Kogler Fassbinder, a Marcha se consagra a cada edição como uma importante ação de fortalecimento da classe e busca por direitos. Sete quinzenovembrenses estarão na capital federal.

“A cada edição da Marcha das Margaridas reafirmamos mais a força das mulheres no campo e do movimento sindical. E em 2019, nós vamos mais uma vez ao centro do poder para sermos vistas e para propor as políticas públicas que melhor atendem as demandas das agricultoras e agricultores familiares de todo o país. Nos encontraremos para resistir aos retrocessos sociais, exigir o fim do racismo e da violência contra as mulheres, defender os direitos humanos e o meio ambiente. Vamos lá lutar e assegurar nossos direitos, reforçando a importância da família no meio rural. E é claro, fazer o possível para trazer resultados positivos”, afirmou Sirlei.