Opinião
Não reclame da vida
6 fevereiro 2017 | Opinião
Compartilhe:

Conta-se que um jardineiro foi certa manhã ao seu jardim e encontrou as plantas murchando e morrendo. Perguntou ao carvalho que ficava junto ao portão o que significava aquilo.

Descobriu que a árvore estava cansada de viver porque ela não era elegante e alta como o pinheiro. O pinheiro, por sua vez, estava desconsolado porque não produzia uvas como a videira.

A videira ia desistir da vida porque não podia ficar ereta e nem produzir frutos delicados como o pessegueiro.

O gerânio estava agastado porque não era alto e cheiroso como o lírio. O mesmo acontecia com todo o jardim.

Chegando-se ao amor-perfeito, encontrou sua coroa brilhante e erguida alegremente como sempre.

“Muito bem meu amor-perfeito, alegro-me de encontrar no meio de tanto desânimo uma florzinha corajosa e feliz. Você não parece nem um pouco desanimado”.

“Não, não estou! Eu não sou de muita importância, não sou grande nem forte, não tenho beleza ou perfume, mas apenas achei que se no meu lugar Deus quisesse um enorme carvalho, um pinheiro, um pessegueiro ou um lírio, Ele teria plantado um deles; mas sabendo que queria um amor-perfeito, estou resolvido a ser o melhor amor-perfeito que posso”.

Muitas vezes, temos de nos resguardar por algum tempo e começar um processo de renovação. Devemos nos desprender de lembranças, costumes e outras tradições que nos causaram dor.

Somente livres do peso do passado, poderemos aproveitar o resultado valioso que uma auto renovação sempre traz. Existem momentos em que devemos fazer escolhas e tomar decisões para que possamos continuar. Afinal, tudo é uma questão de atitude! Viva a vida! Que a paz continue sempre conosco!

(Autoria desconhecida – via Coluna do Élbio)