Ibirubá
Parte da população ignora recomendações de contágio e continua reunindo-se em locais da cidade
15 maio 2020 | Ibirubá
Compartilhe:

Apesar das recomendações e do apelo das autoridades, imagens e denúncias revelam que continuam ocorrendo aglomerações pela cidade. As últimas denúncias que partiram dos munícipes, se referiam a bares e ruas da cidade, e até Igrejas, como alguns leitores relataram a reportagem do Jornal Visão Regional. Organizadores negam que os encontros tenham ocorrido em desacordo às recomendações de segurança e saúde do município.

Durante o último fim de semana, em pelo menos três estabelecimentos, foram registrados pela vizinhança festas até altas horas. Já na Rua Pedro Rebelato, nas proximidades da Asfuca, quem denuncia a aglomeração são os lixos deixados para trás, são garrafas de bebidas alcoólicas, copos, embalagens de cigarros e até mesmo preservativos.

Diante da situação um amplo debate surgiu na comunidade, Ibirubá precisa de um toque de recolher como municípios vizinhos? A equipe de reportagem procurou a Administração Municipal para prestar esclarecimentos acerca do assunto e como irá proceder com as aglomerações.

“Nos reunimos na manhã de terça com a Polícia Civil e a Brigada Militar e então vamos colocar a fiscalização e executar a lei, não havendo o isolamento, ou se a pessoa não está usando a máscara, hoje é crime e pode ser preso. Então nós vamos nos utilizar esse novo decreto para fazer essa fiscalização junto com os órgãos de segurança”, disse Abel.

Quanto ao toque de recolher, Abel diz que ainda não é necessário, mas pede cautela para a população, que respeite o decreto, para que o mais rápido possível essa pandemia possa passar.

“Não vamos decretar nenhum toque de recolher, pelo menos por enquanto. Vamos colocar a fiscalização na rua e ai, não havendo colaboração da comunidade, vamos ter que decretar talvez um toque de recolher”, salienta o chefe do executivo.

Não queremos punir os estabelecimentos que estão cumprindo a regra, então temos o cuidado para não prejudicar essas pessoas que estão seguindo as orientações por causa de outros que não tem respeitado as regras”, finalizou.