Geral
Prevenção do abuso sexual contra menores é tema de debate em encontro regional
21 agosto 2017 | Geral
Compartilhe:

A Câmara Municipal de Ibirubá recebeu na manhã do dia 14 o encontro regional do programa Primeira Infância Melhor (PIM). Agentes educacionais de Ibirubá, Soledade, Tapera e Selbach falaram sobre a prevenção do abuso sexual contra menores de idade, com abordagem da psicóloga Rúbia Ribas, da Secretaria de Educação de Ibirubá.

De acordo com Letícia dos Santos, integrante do Grupo Técnico Municipal (GTM), o objetivo principal foi repassar às agentes educacionais dicas e orientações sobre como proceder em casos em que o abuso sexual é identificado nas famílias participantes do programa, além de oportunidade de esclarecer dúvidas.

Quase todas as agentes confirmaram ter identificado casos de abuso sexual nas famílias.

Os encontros são realizados mensalmente, divididos em um roteiro que abrange os sete municípios que compõem a coordenadoria regional do programa: Alto Alegre, Soledade, Campos Borges, Tapera, Selbach, Ibirubá e Passo Fundo (este último, apesar de pertencer à outra coordenadoria, participa das atividades nestes municípios e vice-versa). Ao final de cada ano, as coordenadorias definem as datas e os respectivos assuntos a serem abordados em cada encontro.

Primeira Infância Melhor (PIM)

O programa Primeira Infância Melhor, pioneiro no Estado, foi implantado em 2003 e tornou-se Lei Estadual no ano de 2006. É um programa institucional equivalente de ação socioeducativa, voltado a famílias com crianças de zero até quatro anos (idade em que o ingresso na escola torna-se obrigatório) e também gestantes. Em Ibirubá, o Programa é desenvolvido há 14 anos.

Atualmente, Ibirubá conta com seis agentes educacionais, que realizam visitas semanais que duram de 45 a 60 minutos em famílias que se enquadram nos requisitos.

Durante as visitas, são aplicadas diversas atividades de orientação e promoção ao desenvolvimento integral das crianças a partir da cultura e experiências de cada grupo familiar, desde a gestação até a idade escolar.

Ao contrário do que era proposto até pouco tempo atrás, o PIM visa atender a todas as famílias, de diferentes classes sociais – não precisando estar necessariamente em situação de vulnerabilidade social para isso. As próprias agentes realizam um trabalho de identificação de residências e famílias que estejam aptas a receber as visitas, através de um roteiro pré estabelecido, de acordo com os horários disponíveis de cada grupo familiar.