Educação
Retorno às aulas está mais distante e não deve ser no dia 30
24 abril 2020 | Educação
Compartilhe:

 

O governador Eduardo Leite anunciou, durante transmissão pela internet nesta terça-feira (21), o que chamou de distanciamento controlado de atividades a partir de 1º de maio no Rio Grande do Sul. No entanto, ressaltou que a retomada das aulas não deve observar esse mesmo calendário.

O governador deixou claro que ainda não há definição sobre datas de volta às aulas. Na rede estadual, as escolas não recebem alunos desde 19 de março. São ministradas as chamadas aulas programadas para tentar vencer o conteúdo do ano letivo. Leite chegou a dizer que as instituições de ensino também poderão entrar no distanciamento controlado, mas que isso ainda precisa ser melhor avaliado.

Por mais de uma vez o governador citou que as decisões de flexibilização de atividades levam em conta a pesquisa liderada pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) sobre a prevalência de coronavírus no Estado. Para o reitor da UFPel e coordenador da pesquisa, Pedro Hallal, não há nenhuma possibilidade de retomada das aulas a partir de 1º de maio, data prevista para início do distanciamento controlado.

As atividades escolares são um ponto central de combate à pandemia porque as crianças vão circular umas com as outras, e obviamente vão infectar umas às outras. E vão ter muitos poucos sintomas.

Ibirubá

A equipe de reportagem do Jornal Visão Regional entrou em contato com a presidente do Conselho Municipal de Educação  Tatiana Fontana Oliveira e também com a Coordenadora Pedagógica da Educação Infantil, Jussara Rodrigues de Andrade, com intuito de verificar a situação das escolas de Ibirubá.

Segundo ela, as aulas estaduais permanecem suspensas até o dia 30 de maio e, desta forma, as escolas municipais ficam condicionadas ao decreto do estado, permanecendo fechadas até esse período. Quanto a recuperação das aulas, Tatiane ressaltou que a validação das aulas programadas não presenciais como dias letivos ainda não foi autorizada pelo Conselho Nacional de Educação, mas, ela acredita que há a possibilidade de validação dessas horas de aula tendo em vista a pandemia de Covid-19 que assola o mundo todo.

Jussara explicou que outra possibilidade, é o aumento da carga horária diária de aula para que sejam cumpridas as 800 horas previstas na Constituição após o término do isolamento social. Isso significa que mesmo que os 200 dias letivos não sejam cumpridos, as 800 horas serão. Ainda segundo ela, a participação e cobrança dos pais ou responsáveis é crucial para enfrentamento dessa problemática.

As escolas municiais de Ibirubá também adotaram a estratégia das aulas não presenciais programadas a fim de garantir que os alunos continuem recebendo atividades para manter o contato com os conteúdos durante esse período. Redes sociais como o Whatsapp e Facebook estão sendo utilizadas para envio dos materiais. Já famílias que não possuem acesso à internet ou a computadores, podem se dirigir até as escolas nas quartas-feiras para receberem as atividades dos seus filhos.

Jussara também destacou o projeto da Prefeitura Municipal em parceria com a Assistência Social para distribuição dos alimentos  destinados a merenda escolar, para famílias carentes na forma de kits. Para ela, a solidariedade e valorização da vida é importante para enfrentamento do vírus, garantindo assim, a saúde de crianças, jovens, adultos e idosos.