Geral
Sarampo e pólio: campanha de Vacinação ocorre este mês de agosto
4 agosto 2018 | Geral
Compartilhe:

Pais ou responsáveis de crianças de um a 5 anos devem levá-las para se vacinarem até dia 31 contra o sarampo e a poliomielite (paralisia infantil). A única forma de prevenção é a vacinação. O Dia D é sábado, 18/8

O Ministério da Saúde estará realizando a Campanha Nacional de Vacinação Contra o Sarampo e a Poliomielite em virtude do aumento de casos das doenças no último ano em cenário global e da baixa cobertura vacinal pela população, inclusive no Brasil.

O Município de Ibirubá está engajado e chama a atenção de toda a população para a importância da vacinação, para ambas doenças. “Nossas salas de vacina estão preparadas para receberem as crianças da faixa etária. Temos a meta de alcançar 1.100 crianças”, revelou a secretária de Saúde Dileta das Chagas no início da semana.

No período da campanha, as salas de vacina atendem das 7h30min às 11h30min e das 13h às 17h, de segunda a sexta-feira. No Dia D Mobilização Nacional, o horário será das 8h às 17h, sem fechar ao meio-dia.

Pólio e sarampo

A vacina contra a poliomielite faz parte do calendário vacinal da criança. A vacina contra o sarampo (Trípliceviral) faz parte do calendário da criança e do adulto até 49 anos. A campanha visa, prioritariamente, atingir a criança na faixa etária especificada. Mas, os adultos também podem, em qualquer período, procurar as salas, levando sua caderneta de vacinação. “Todos nós, até 49 anos, devemos ter recebido, no mínimo, uma dose da vacina contra o sarampo. Tem faixas etárias que o calendário prioriza duas doses. Por isto, todos podem procurar as Unidades de Saúde para atualizarem a sua situação vacinal”, orienta a enfermeira Joice Marques.

Todos que procurarem as salas de vacina devem levar a caderneta de vacinação e o Cartão SUS. Com a caderneta, a equipe se certifica da situação vacinal. Se alguma vacina não foi ministrada, há duas possibilidades: fazer a vacina junto com a do sarampo e a da pólio, se puder, ou agendar uma data para a vacina ser aplicada, recomenda Joice.

Situação epidemiológica

Poliomielite: segundo informações do MS, dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) demonstram que, em 2017 e 2018, foram registrados casos de poliomielite somente em dois países que são considerados endêmicos, Afeganistão e Paquistão. Neste ano, até o dia 8 de maio, foram registrados oito casos da doença, sendo todos nos países endêmicos (um no Paquistão e sete no Afeganistão). No Brasil, a poliomielite está erradicada desde 1990, não havendo registros de casos.

Sarampo: em 2016 e 2017, não foi registrado nenhum caso da doença no país. Atualmente, o Brasil enfrenta surtos de sarampo em três estados (Roraima, Amazonas e Rio Grande do Sul) com registro de 320 casos confirmados até semana epidemiológica (SE) 23, sendo seis no RS.

Saiba mais

Sarampo e a poliomielite são doenças contagiosas e podem levar a graves e sérias complicações de saúde. O sarampo pode levar à morte, e a poliomielite causar paralisia dos membros inferiores, impactando definitivamente a vida da pessoa. A vacina é a única forma de prevenção.

Com a deflagração da Campanha Nacional, o médico da Secretaria de Saúde de Ibirubá, Etiani Augusto Messerschmidt, passou informações sobre estas doenças.

O Dr. Etiani reforça que a população deve procurar a vacina nesse momento de Campanha. A cobertura vacinal tem caído nos últimos anos e, se a população não estiver protegida, em caso de contaminação, a doença pode se espalhar.

10

Sarampo

É uma doença infecciosa exantemática aguda, transmissível e extremamente contagiosa, podendo evoluir com complicações e óbito. A doença desenvolve febre, dor no corpo e alguns sintomas respiratórios. O exantema (manchas grandes avermelhadas de pele) confirma a doença. Toda doença que surge desta forma, principalmente com exantema, é investigada, pois hoje o Ministério da Saúde deve ser notificado se tratar-se de sarampo. É uma doença autolimitada: a maioria das pessoas se cura sozinha, mas tem complicações, principalmente, respiratórias, como pneumonia, e alguns casos neurológicos, como meningite. Algumas pessoas, com imunidade baixa, têm mais chances para desenvolver estas complicações.

Poliomielite

O Dr. Etiani explica que a pólio é uma doença que, na maioria das pessoas, não apresenta sintomas, mas algumas apresentam mal-estar, dor no corpo, dor de cabeça. O grande problema é o desenvolvimento de uma paralisia permanente em um dos membros inferiores, prejudicando a pessoa de caminhar.

A poliomielite é transmitida por via fecal-oral. Elimina o vírus pelas fezes. Além de passar de pessoa para pessoa, pode contaminar o lençol freático, se o esgoto não for tratado. Se a higiene das mãos não estiver adequada quando da manipulação dos alimentos, o contato da mão contaminada com a boca vai acabar transmitindo o vírus.