Entrevista
Vagner Oliveira, novo Presidente da Câmara de Vereadores de Ibirubá
13 janeiro 2018 | Entrevista
Compartilhe:

Eleito novo Presidente do Legislativo ibirubense para a gestão 2018 na noite de 26 de dezembro, Vagner Oliveira foi empossado dois dias depois em uma agradável e simbólica cerimônia que reuniu familiares, amigos, eleitores e demais pessoas da comunidade junto à Câmara Municipal de Vereadores. Confira a entrevista exclusiva com ele:

Os valiosos 15 minutos

Na sala da presidência junto à Câmara, com seu jeito simples e humilde, Vagner diz ainda não ter se acostumado com a ideia de sentar na cadeira que ocupa o poder máximo dentro do Legislativo. Iniciou a entrevista afirmando que nunca pensou em ser político, pois discordava da situação caótica de ver um cenário totalmente desacreditado, tanto a nível nacional, estadual e regional.

“Nunca me passou pela cabeça entrar na política, mas tudo mudou quando, um dia antes do prazo máximo para homologação das candidaturas para a eleição municipal de 2016, recebi um convite do Prefeito Abel para ser candidato a vereador, e pedido do pastor da Igreja Assembleia de Deus, Jair de Oliveira Pedroso. Diante disso, conversei primeiramente com minha esposa e depois com os demais familiares, que apoiaram a ideia”.

“Na manhã seguinte, aceitei a proposta, mas faltava documentação. Dentre os documentos, era necessária uma certidão negativa da Justiça Federal, que não é possível imprimir via internet por meu nome ser muito comum, sendo necessário ir até Cruz Alta. Mas, a única pessoa que sempre imprimia a certidão para mim estava em cirurgia médica, e o setor encontrava-se fechado”.

“Voltei a Ibirubá triste, achando que estava tudo perdido, mas, pelas 14 horas liguei para esta pessoa que, incrivelmente, havia acabado de sair da sala de cirurgia. Com um contato telefônico, pediu a outro funcionário que providenciasse a certidão, que encaminhou o documento via e-mail, faltando apenas meia hora para o final do prazo”.

“Até conseguir reunir tudo e correr ao cartório eleitoral, foram mais quinze minutos. Faltando apenas quinze minutos, foi homologado meu nome como candidato. Por isso digo, que ‘era pra ser”, conta.

Em relação à campanha eleitoral, destaca que, como trabalhava muito durante o dia inteiro, se reunia após as 18 horas com a esposa Cristina, a comadre Rosângela (hoje chefe de gabinete) e visitava as residências pedindo a credibilidade do voto. Ao todo, foram 526 famílias visitadas e, destas, foram conquistados 461 votos – número satisfatório, e que lhe rendeu a primeira eleição. Hoje, além de vereador eleito pelo PRB, Vagner é também Presidente da Ascamaja (até dia 26) e agora Presidente do Legislativo ibirubense.

Quem é o Vereador Vagner?

Com 36 anos, Vagner vem de uma família humilde do Bairro Unida – nome empregado ao bairro graças a grande união de sua família, seus bisavós, que foram alguns dos primeiros moradores do local. Mesmo hoje residindo na área central da cidade, é no Bairro Unida que a maior parte de sua família se concentra até os dias atuais. É casado há dez anos com Cristina Natalia Freiberg Oliveira, com quem tem dois filhos: Vagner Emanuel Oliveira, com nove anos, e o pequeno Elias Miguel Oliveira, de apenas dois anos.

Com emoção, conta que teve fases difíceis na vida – chegou a passar fome. “Ao ver que minha esposa precisava do alimento mais do que eu por estar amamentando nosso primeiro filho, deixava o alimento para ela. Muitas vezes, cheguei comparar a geladeira de minha casa com uma gaiola: só grades e garrafinhas de água. Diante da dificuldade, muitas vezes ia pro quarto orar, e, no dia seguinte, recebia bênção e ajuda de pessoas maravilhosas”, conta, emocionado.

Aos nove anos, teve seu primeiro emprego com o tio Leonel, em uma oficina mecânica. Logo depois, começou ajudar o avô Aldori como servente de pedreiro. Aos 14 anos, quis parar de estudar para comprar um carro, mas o pai insistiu que continuasse com os estudos e, para mostrar que o estudo era necessário, lhe arrumou um emprego na Cotribá, onde iniciou trabalhando num confinamento, seguido da descarga manual de caminhões na safra, calador, manutenção de silos, balanceiro, supervisor e coordenador de armazéns. Inicialmente, ficou três anos na Cotribá. Após, serviu o Exército, onde chegou a ser cabo e 3º sargento. Posteriormente, retornou à cooperativa, onde permaneceu por mais cinco anos.

Posteriormente, Vagner começou a trabalhar no CFC Jeremias como instrutor de trânsito, profissão que exerce atualmente. Na mesma época, fez amizade com Carlos Gomes Abreu Neto, o qual era neto da famosa Cassinha, proprietária de grande fazenda entre Ibirubá e Cruz Alta. Vagner então administrou a fazenda durante muitos anos – de 2006 a 2012, e até hoje mantém vínculos.

Há quatro anos, foi diretor de Ensino no CFC, mas, como dar aulas é o que realmente gosta, voltou a ser instrutor. Agora, como Presidente do Legislativo, continua vinculado ao CFC, mas passa a maior parte do tempo na Câmara, para ficar a par das demandas da comunidade.

Em relação a sua formação, iniciou os cursos de Agronomia, Medicina Veterinária e Administração, os quais não conseguiu concluir por dificuldades financeiras. Em 2005, conseguiu concluir o curso superior em Gestão de Empresas Rurais, pela Unicruz. Em 2006, fez uma especialização em Estratégia Agrícola pela Universidade Federal de Santa Maria, onde, na mesma época, fez o curso de instrutor e examinador de trânsito. Posteriormente, fez o curso de examinador de trânsito em Curitiba. Além disso, é graduado em Teologia pela Fatec desde 2014, sendo teólogo e responsável pela congregação da Igreja Assembleia de Deus de Ibirubá.

Em relação à Câmara, pretende dar continuidade ao trabalho que vinha sendo realizado pela mesa diretora anterior, destacando que seu gabinete permanece de portas abertas a todas as pessoas da comunidade, independentemente de partido, classe social ou credo religioso.

Sempre seguindo a direção de Deus, disse ter chegado onde chegou pela vontade d’Ele, e afirma: “Acredito estar desempenhando um bom trabalho, pois até agora todas as demandas que a mim foram solicitadas tiveram boa resolutividade. E, se os bons ficarem calados, o que vai ser do nosso Brasil e do nosso povo? Pois, o corrompimento do homem e a corrupção existem desde a criação do mundo, mas, se continuarmos sempre pensando desta forma, não iremos agregar nada em nossa vida, e nem socorrer as pessoas que precisam, principalmente, de amor. Nós, vereadores, estamos aqui pela graça de Deus e pelo voto de confiança que as pessoas em nós depositaram e, portanto, devemos continuar fazendo um bom trabalho”, finalizou.