31 de maio: Dia Mundial Sem Tabaco
7 junho 2021 |
Compartilhe:

O Grupo de Apoio Amor Exigente: Resgatando Vidas tem por objetivo auxiliar as pessoas durante períodos de mudanças, no tratamento de crises ou na manutenção e adaptação a novas situações. É uma proposta de educação destinada a pais e educadores para prevenir e solucionar os problemas com os filhos, mudando o comportamento familiar. É um programa de qualidade de vida, reconstruindo estruturas abaladas por compulsões comportamentais devido ao uso de álcool e outras drogas.

Os encontros são destinados a todos que desejarem participar e que necessitem de algum tipo de ajuda. As reuniões, inicialmente, aconteceriam no centro de convivência do idoso, ao lado do CRAS, em Tapera, às 20h de quartas-feiras. Devido à pandemia, o grupo de apoio tem realizado seus encontros de forma online, com reuniões nos mesmos dias e horários. “As reuniões salvam vidas, e não podemos parar”, diz a presidente, Graziela Nava da Silva, que reside em Espumoso, mas trouxe para Tapera essa oportunidade de, segundo ela, “salvar vidas”.

Graziela frisa, ainda, que quem quiser participar será muito bem-vindo: “Quem tiver o desejo de conhecer ou tiver um amigo, vizinho, familiar que precise de ajuda, será muito bem-vindo. A reunião tem um funcionamento simples e eficiente, melhorando a qualidade de vida das pessoas.”

“Muitas vezes, vivemos situações em nossas vidas que não dividimos nem mesmo com a família, seja por medo, vergonha ou preconceito. E, assim, fechamo-nos como ‘ostras’, mas quando se torna insustentável, é hora de pedir ajuda, podendo, assim, fazer de forma particular pelos telefones (54) 99101-8070 (Graziela) ou  (54) 99149-4511 (Valério)”, destaca Graziela.

Dia Mundial sem Tabaco

O Dia Mundial Sem Tabaco, em 31 de maio, foi criado em 1987 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), para alertar sobre doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo. O mais conhecido inimigo do pulmão também pode trazer doenças para o coração, causa dependência física, psicológica e comportamental semelhante ao que ocorre no uso de outras drogas. O tabaco mata mais de sete milhões de pessoas por ano, das quais 900 mil são não fumantes que morreram por respirar o fumo passivo.

Dor de cabeça, irritabilidade, dificuldade de concentração, ansiedade e alteração do sono são alguns sintomas da abstinência de cigarro. Esse conjunto de reações desagradáveis, que podem incluir aumento de apetite, tristeza e até depressão, é chamado de síndrome de abstinência da nicotina. No entanto, o tempo que esses sintomas demoram para surgir varia de acordo com cada pessoa e com o grau de dependência, podendo demorar até 48 horas para aparecerem depois de fumar o último cigarro.

O Grupo de Apoio Amor Exigente deixa algumas dicas para quem deseja parar de fumar: “Tome muita água, isso vai fazer você se sentir melhor toda vez que pensar em acender um cigarro; tenha sempre porções de alimentos não muito calóricos: por exemplo, cenouras, pepinos, castanhas e frutas secas; pratique atividade física, pois o exercício libera serotonina e endorfinas que promovem o bem estar; evite permanecer em locais com outros fumantes”.

Graziela conclui com o convite para participação no grupo: “Venha ao Grupo de Apoio de Amor Exigente: Resgatando Vidas. Pessoas que passaram pelo mesmo problema que você está passando podem lhe ajudar”, conclui Graziela.

 

Depoimento de integrante do grupo

Karen Vanusa dos Santos é de Espumoso e participa das atividades em Tapera a convite da presidente do grupo, Graziela. Karen fala como conseguiu parar de fumar e o que a motivou a vencer

“Meu nome é Karen Vanusa dos Santos, 33 anos. Tenho um filho de nove anos. Hoje, meu depoimento vai ser em relação ao tempo em que fui fumante. Tudo começou aos 12 anos de idade, por curiosidade e por achar que era bonito. Eu morava com meu pai e minha avó, por quem fui criada, e ambos eram fumantes. Aliás, a minha família toda é fumante, tanto paterna quanto materna, e ambos tiveram problemas de saúde em relação ao uso de cigarro.”

“Então, na época em que morava na cidade de Carazinho com meu pai e minha avó, ficava esperando ao lado de fora da casa as bitucas que colocavam fora para eu juntar e fumar escondido. Fui fumante por 18 anos. Antes de chegar ao ponto final e concreto de parar de fumar, eu tinha tentado outras duas vezes, mas sem êxito. O máximo de duração sem cigarro era três meses, e na época, eu estava em começo de tratamento e recuperação da dependência química e de alcoolismo. Então, não era fácil, e por isso, optava por voltar a fumar, achando que iria “amenizar” a ansiedade. Tudo ilusão.”

“No começo, quando comecei a fumar, parecia bacana e legal para meu grupo de amigos. Achava bonito, fumava uma carteira de cigarro a cada três dias. Depois, esse tempo foi diminuindo e a quantidade de cigarros aumentando, chegando a fumar três carteiras por dia, e já não estava legal, pois já me sentia com pouco fôlego.”

“Certo dia, meu filho, que é uma pessoa muito importante para mim e motivacional, me perguntou: ‘Mãe a senhora me ama?’, e eu respondi que sim, claro, que eu o amava muito. Meu filho me fez essa pergunta por várias vezes e disse: ‘Mãe, eu estava assistindo uma reportagem na televisão que estava falando sobre as pessoas que fumam, o que pode acontecer e as doenças, e as pessoas morrem. Então, eu não quero que a senhora morra e isso causa câncer, a senhora vai sofrer.’ Então, eu abracei meu filho e lhe prometi que iria parar de fumar.”

“No mesmo dia, fui até o posto de saúde, pois eu sabia que tinha um grupo de tabagismo. Procurei o responsável e comecei a participar. Já na primeira palestra, compreendi que, sim, era ali o meu lugar e, sim, eu iria conseguir. Nos primeiros dias, usei adesivo e foi tranquilo, pois já havia passado por esse tipo de desapego de vício. Pra mim, foi mais tranquilo, para outros, nem tanto, mas permaneci firme no meu propósito. Eu substituí o cigarro por palitinhos de cenoura e maçã, e isso foi muito bom para a minha saúde e de minha família.”

“Claro que havia dias em que batia a vontade de fumar, mas eu deixava sempre pra depois, para daqui a cinco minutos… E, de cinco em cinco, no dia 4 de julho, completaram-se três anos sem o cigarro.”

“Uma vida sem tabaco é um ar puro em seus pulmões e lhe dá uma qualidade de vida mais confortável. Quem está no comando é você, e quando pensar em desistir, lembre-se o porquê de você ter começado. Você não é um derrotado quando perde, mas sim, quando desiste.”