Tapera
Agosto Dourado: Uma linda história de dedicação, superação e muito amor
16 agosto 2021 | Tapera
Compartilhe:

Confira o depoimento da taperense Natália Schmitz, 23 anos. Ela é casada com William e mãe do Joaquim.

“Quando o positivo chegou, senti uma mistura de sentimentos, nem acreditava que depois de tantos tratamentos para engravidar e um aborto que sofri, estava grávida novamente. As semanas foram passando-se e as intercorrências foram surgindo, com dores, sangramento e perda de líquido”.

“Fui para o hospital e chegando lá escutei da médica: Você está dilatando e provavelmente em trabalho de parto, com 17 semanas o feto ainda não sobrevive aqui fora. A frustração era enorme e um sentimento de impotência tomava conta de mim”.

“Por fim, fui diagnosticada com incompetência istmo cervical (colo do útero curto, vai dilatando conforme o bebê cresce). Precisei de muito repouso, remédios e um procedimento para costurar o colo do útero pra não dilatar. A gestação foi um sufoco, as visitas ao hospital eram com muita frequência, mas deu tudo certo, nós vencemos e o Joaquim nasceu saudável e no tempo certo”.

“A maternidade é linda mas não é fácil, os desafios são diários e comigo claro que não foi diferente. A amamentação que eu achava que era maravilhosa e cheia de amor, pra mim não era assim, sentia dor cada vez que amamentava, chorava e prometia que não iria mais amamentar. Assim se passaram dois meses de angústia e dor. A minha rede de apoio era muito importante pra mim e não me deixaram desistir”.

“Hoje uma das coisas que mais amo na vida é amamentar meu filho. O orgulho que sinto de mim é gigante, sinto que posso fazer qualquer coisa por ele”.

“Ainda bem que as dores passaram. Ainda bem que não desisti e ainda bem que hoje meu bebê é alimentado somente com aleitamento materno”.