Tapera
Ballet: O desenvolvimento infantil não espera a pandemia acabar
22 junho 2021 | Tapera
Compartilhe:

Durante a pandemia percebe-se as dificuldades que as crianças obtiveram na aprendizagem, no ensino do ballet, e na escola. O desenvolvimentos infantil não tem tempo para esperar a pandemia acabar, por isso, durante a pandemia, segundo a professora Natália Stumpf, “tivemos que nos adaptar para as aulas on-line, onde a forma de ensino do ballet clássico infantil passou por um processo de inovação na forma de ensinar as crianças e motivar sua vontade de aprender”. Para a professora, não é a mesma coisa do que com o contato presente, em ambiente de ensino. “Teve uma queda brusca no processo, as bailarinas tiveram que fazer os exercícios pela “imitação”, o ver e fazer, a expressão corporal foi trabalhada todo o momento de aula, assim, como a imaginação, o que é importantíssimo para a faixa etária que trabalho”, ressalta Natália.

Retorno com qualidade e segurança

Todas as aulas é usada uma temática diferente para envolver a criança no aprendizado do ballet, pois na infância, a imaginação e a fantasia não são atividades que podem se caracterizar apenas pelo prazer que proporciona. A bailarina muito pequena tem suas limitações pelas restrições situacionais e seu comportamento, o ensino de forma lúdica tem a tendência a satisfação de seus desejos. É na brincadeira, com objetos pedagógicos, que os exercícios de ballet clássico são resignificadas pelas crianças, utilizando a linguagem como instrumento no processo de construção da aprendizagem no ballet clássico.

A motivação é muito importante para o desenvolvimento do processo de aprendizagem, sendo intrínseca, está associada com atividades que são sua própria recompensa, por exemplo dançar com sapatilhas de pontas, estar no palco, ser aplaudida e entre outros.

Comprometimento: quando se trata de criança, a conversa é muito séria!

A escola tem comprometimento com os pais e também com a escola, trabalhando as etapas de desenvolvimento, sempre auxiliando no desenvolvimento como um todo, da aprendizagem para o ensino escolar. “Para crianças que têm dificuldade de concentração na escola, por exemplo, o ballet é uma atividade super indicada para auxiliar nessa questão, trabalhando diretamente em conjunto com a escola da criança. Criatividade, encantamento e muita técnica são primordiais para uma aula maravilhosa, e sim, percebo os resultados em cada aula”, diz a professora.

Cada criança tem seu tempo e ritmo de aprendizagem, “e não posso pular nenhuma das etapas de aprendizagem na infância, por exemplo, no baby class para bailarinas de 4 a 5 aninhos, a função é ampliar o vocabulário psicomotor das pequenas bailarinas, com o objetivo de desenvolver as competências necessárias para o aprendizado do ballet”.

No ballet infantil as crianças já estão preparadas para a técnica do ballet, pois passaram pela fase do baby class e estão preparadas para esse nível que exige uma educação psicomotora formada, nesta fase é trabalhado as funções cognitivas, executivas e controle inibitório. A criança por si só já nasce impulsiva, nesta fase a professora Natália gosta de trabalhar muito a função da cognição, “aplico atividades onde inconscientemente as crianças aprendem a controlar seus impulsos, prevenindo problemas graves no futuro, a criança precisa saber dizer não, para futuramente evitar impulsos, principalmente na adolescência”.

Pais encantados é o objetivo

No final de todas as aulas, os pais recebem, vídeos, fotos e relatório de todas as atividades que foram trabalhadas, junto com todos os objetivos, os pais confiam e percebem o quanto o ballet está fazendo diferença na vida de suas filhas, “eu me preocupo com todos os detalhes da minha aula, sendo todas preparadas da forma mais encantadora possível, as bailarinas terminam a aula com o gostinho de ‘quero mais”.

Ballet adulto: Meu movimento, minha arte!

Em uma enquete nas redes sociais, muitas mulheres confirmaram sentimentos de estresse, ansiedade, depressão, baixa autoestima e relataram sentir receios em estar em ambientes com muitas pessoas por se sentir indiferente muitas vezes.

Pensando nisso, e questionando sobre que tipos de mulheres na sociedade, qual a importância de ter mulheres mais realizadas, felizes e empoderadas, “por que não fazer aulas de ballet? Se isso me faz tão feliz e realizada, porque está atividade não está sendo trabalhada com mulheres de todas as idades”.

A ideia da professora Natália é aplicar as aulas de ballet adulto de uma forma terapêutica, focada principalmente para mulheres que sentiram os efeitos do isolamento social, uma aula sem rótulos, para todos os biótipos corporais. “Nesta turma quero poder trazer outros profissionais, que tem essa mesma preocupação com a saúde da mulher, trazendo informações, um apoio, um incentivo para que elas estejam em um ambiente acolhedor e de qualidade. É muito mais que uma aula em que se aprende os movimentos do ballet clássico, é momento de sentir e transmitir suas emoções na dança, além de cuidar do seu corpo, estarão cuidando da saúde mental”, completa Natália.

Agenda do Ballet

Terças: Baby Class Online 19h

Quartas: Ballet I 18h

Quintas: Ballet Infantil Online 17:40 e Ballet Fraldinha 19h

Sextas: Baby Class Poli Esportivo 18h e Ballet Adulto Poli Esportivo 19h

Sábados: Baby Class e Ballet I Não-Me-Toque JJ Personal e Fisioterapia.

Para informações, fone/whats: 54 9966-7363.

“Ballet sem rótulos, sem competição, sem definição de classe social, um ballet mais humanizado, cheio de movimentos para você expressar quem você é, qualidade de vida é para todos! Vai lá e faz”, conclui a professora.