Bombeiros alertam sobre riscos de afogamento e explicam os cuidados
18 novembro 2021 |
Compartilhe:

Durante o verão, aos finais de semana e em períodos de férias, muitas pessoas procuram diversão em cachoeiras, lagoas, rios, campings, piscinas etc. Atraídas pela sensação de frescor e descontração, a população busca aproveitar as muitas belezas naturais e as muitas regiões banhadas por água.

Entretanto, é preciso estar atento aos riscos de afogamento e outros acidentes comuns neste tipo de programa. Para evitar que a diversão se torne tragédia, é fundamental seguir normas de segurança preconizadas pelo Corpo de Bombeiros. Infelizmente, estatísticas comprovam que, muitas vezes, a negligência e a desatenção causam acidentes, inclusive com perda de vidas.

Conforme o tenente Maidano, Comandante do Corpo de Bombeiros Comunitário de Tapera, é preciso conscientização das pessoas sobre o perigo das águas. Segundo ele, as principais causas de afogamento ocorrem por nadar sozinho, nadar embriagado, arriscar-se em rios profundos e em locais que não possuem salva vidas.

De acordo com ele, as crianças demandam maior cuidado “por não terem noção do perigo”, comenta. “Piscinas devem ser cercadas para não ocorrer acidentes com crianças”.

Segundo Maidano, a maioria dos rios da nossa região é imprópria para banho por serem profundos, caudalosos e com muitos galhos em seu leito.

Para evitar que o período de férias e de descanso com a família seja interrompido por uma tragédia ou por um acidente grave, é preciso seguir algumas dicas:

Escolha segura

Antes de tudo, escolha um local seguro para se divertir, dando preferência para regiões que tenham a presença de bombeiros militares ou guarda-vidas realizando a supervisão dos banhistas.

As lagoas e os rios são os locais em que mais ocorrem afogamentos em nossa região.

Também a água turva ou escurecida de lagoas e cachoeiras pode camuflar riscos em potencial para banhistas.

Ao nadar em lagos, é preciso tomar cuidado com objetos que estejam submersos; em cachoeiras, o desnível de uma pedra para a outra e a presença de lodo escorregadio também devem ser identificados e evitados, pois são perigosos.

Ao avistar uma pessoa se afogando, o mais correto é buscar a ajuda de um serviço de emergência. Caso a pessoa não tenha capacitação para realizar um salvamento, a orientação é que jamais o faça. No máximo, ofereça um objeto flutuante para que a vítima possa se apoiar. Ao presenciar um afogamento, ligue, imediatamente para o 193.

A seguir, confira as principais dicas de segurança em programas aquáticos:

– Nunca nade sozinho;

– Crianças só devem nadar sob supervisão de um adulto;

– Não entre na água após ingerir bebidas alcoólicas, pois o álcool afeta os sentidos dos banhistas;

– Não entre na água em locais que você não conheça. Antes disso, descubra características do local, como profundidade e força da correnteza;

– Nunca ultrapasse faixas e placas de avisos de perigo. Sempre fique atento à sinalização de segurança do local;

– Não entre na água após refeições pesadas por causa do risco de cãibras;

– Não salte de locais elevados para dentro da água e nem mergulhe de cabeça, pois a água pode esconder tocos de madeira, pedras e objetos pontiagudos;

– Evite brincadeiras de mau gosto, como “caldos” (lançar, empurrar ou afundar a cabeça de pessoas na água), “trotes” ou “saltos”;

– Não se afaste da margem;

– Se começar a chover e relampejar, saia da água;

– Nunca nade perto de embarcações por causa do risco de ser atingindo por elas;

– Sempre procure nadar em locais onde há a presença do Corpo de Bombeiros Militar ou guarda-vidas.

“A vida é uma só, e é o melhor bem que temos. Todo cuidado com nossa segurança é pouco, portanto, a prevenção de acidentes é importante pra que ocorrências de afogamentos e outros acidentes não ocorram”, conclui Maidano.