Tapera
Capoeiristas falam sobre sua trajetória e o amor pelo esporte
9 agosto 2021 | Tapera
Compartilhe:

Ezequiel de Oliveira, professor “Crespo”, iniciou sua trajetória na Capoeira em um projeto municipal oferecido pela Secretaria de Educação em 2010. “Desde então, passei a amar a arte e [a] entrar cada vez mais para o mundo da capoeira”, comenta ele.

Quando Crespo iniciou, a capoeira era apenas um esporte que gostava de praticar. Com o tempo, tornou-se uma suma importância na sua vida. Para ele, “este esporte é uma filosofia de vida”. O que mais o marca em sua trajetória foi uma roda de capoeira que aconteceu no ano de 2019 na Praça Central de Tapera. Segundo Crespo, esse evento lhe ofereceu uma nova oportunidade: fazer parte do grupo internacional de capoeira Oxosse.

A capoeira possui muitas vantagens. Dentre elas, o desenvolvimento da coordenação motora, de musicalidade, disciplina, respeito e o conhecimento histórico e cultural. Depois que Ezequiel começou na capoeira, ele conta que se tornou uma pessoa mais disciplinada.

Atualmente, os projetos de capoeira funcionam nas escolas municipais de Tapera e no CRAS.

Robson Santos, aluno de Ezequiel, destacou que não se imagina sem a capoeira, esporte em que iniciou desde cedo. Dentro da roda e com os treinos, ele conta que aprendeu muito sobre disciplina, não focando somente nos movimentos de luta, mas também, no condicionamento físico. “Desenvolvi um gosto pela prática de atividade física que tenho até hoje, depois de adulto, e que só me traz benefícios”, frisa .

O amor que Robson também desenvolveu pela arte fez com que buscasse a capoeira mesmo depois de o antigo grupo acabar. Ambos respeitam-se, com pouca diferenças entre as graduações dentro da capoeira. Cada um respeita a sua história.