Saúde Tapera
Com medo de internação por coronavírus, pacientes adiam a busca por atendimento
14 junho 2021 | Saúde Tapera
Compartilhe:

A pandemia do coronavírus tem causado impactos à saúde mental das pessoas. Isolamento social, medo principalmente da internação, incertezas, mudança no ritmo das relações sociais, e tantos outros fatores podem culminar ou intensificar transtornos como depressão e ansiedade. Há casos de pacientes que sentem algum sintoma de coronavírus e vão de imediato a procura de medicamentos, retardando a ida ao hospital e “se cuidando em casa, do seu jeito”.

Mas, algumas pessoas resolvem ir consultar ‘tarde demais’, quando o estado já está agravado, ou quando realmente percebem a necessidade de ir ao médico.

Cláudia Tramontini, enfermeira responsável pela Unidade de Triagem Covid-19 em Tapera, destacou esses tipos de situação, como são os atendimentos na Unidade Covid e de que forma as enfermeiras procedem. Segundo ela, muitas vezes os pacientes chegam para a consulta com uma semana, ou até dias de sintomas, e até mesmo bem debilitados. Isso porque, os pacientes preferem “se cuidar” em casa, seja tomando chás ou se automedicando.  “O paciente chega na Unidade saturando baixo, já necessitando de internação hospitalar, pois não veio fazer uma consulta, procurar atendimento, tirar as dúvidas, procurar informações”, frisa Cláudia.

A enfermeira frisa ainda, sobre a importância de procurar ajuda na Unidade, já no início dos sintomas. “É bem importante, que o paciente procure ajuda, ao sentir qualquer sintoma gripal, seja uma tosse, uma dor no corpo, dor de garganta, dor de cabeça, qualquer desses sintomas. Tire suas dúvidas, não precisa ter medo de vir até aqui. É importante a triagem e avaliação médica”, frisa Cláudia.

Os profissionais de Saúde, entendem o medo que os pacientes tem da internação, mas Cláudia destaca que, “é melhor vir, fazer o tratamento do que procurar ajuda muito tarde, lá no sétimo… décimo dia de sintomas. Então, é melhor já começar o tratamento nos primeiros dias adequadamente”, diz a Enfermeira.

Quando o paciente procura a Unidade de Triagem, é feito acompanhamento diariamente, ou conforme a situação.

Conforme Cláudia, muitos pacientes questionam sobre a quantidade de medicação. “O paciente questiona porque ganhou tal medicação e o fulano outra, ou porque ganhou mais remédios e o fulano ganhou menos”. A enfermeira explica que, “cada paciente tem que ser avaliado pelo médico e a gente precisa saber se tem problema de saúde, se tem alergia a medicação, então talvez um paciente possa tomar um remédio que o outro não possa tomar. Então, isso vai tudo de conduta médica e vai tudo conforme o histórico do paciente, se tem comorbidade, se pode tomar aquele remédio ou não. Por isso, da importância da avaliação médica e na consulta”, diz Cláudia.

“No primeiro momento que você sentir algum sintoma gripal, ou algum que você não está acostumado a sentir no dia a dia, ou que você nunca sentiu antes, procure atendimento, para que gente realize o teste do covid”, conclui a enfermeira.