Conheça o trabalho dos extensionistas rurais da EMATER de Tapera
14 dezembro 2021 |
Compartilhe:

O Dia Nacional do Extensionista Rural é comemorado em todo o país no dia 06 de dezembro. No Brasil, os primeiros registros da extensão rural são do ano de 1948.

Para falar sobre esta profissão, o Jornal da Integração conversou com os extensionistas da Emater de Tapera, Jair Ross e Catieli Klein.

A Extensão Rural é um serviço de educação não formal desenvolvido prioritariamente com o público do meio rural (crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos), visando promover o desenvolvimento rural nos aspectos ambientais, sociais e econômicos.

A Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária foi criada oficialmente por meio da Lei 12.188/2010.  Conforme a lei, entende-se por Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) o serviço de educação não formal, de caráter continuado, no meio rural, que promove processos de gestão, produção, benefício e comercialização das atividades e dos serviços agropecuários e não agropecuários – inclusive das atividades agroextrativistas, florestais e artesanais;

São inúmeros os objetivos da Extensão Rural, dentre os quais:

– Promover o desenvolvimento rural sustentável e a melhoria da qualidade de vida de seus beneficiários;

– Aumentar a produção, a qualidade e a produtividade das atividades e serviços agropecuários e não agropecuários;

– Assessorar as diversas fases das atividades econômicas, a gestão de negócios, sua organização, a produção, inserção no mercado e abastecimento, observando as peculiaridades das diferentes cadeias produtivas;

– Desenvolver ações voltadas ao uso, manejo, proteção, conservação e recuperação dos recursos naturais, dos agroecossistemas e da biodiversidade;

– Construir sistemas de produção sustentáveis a partir do conhecimento científico, empírico e tradicional;

– Promover o desenvolvimento e a apropriação de inovações tecnológicas e organizativas adequadas ao público beneficiário e à integração deste ao mercado produtivo nacional;

O trabalho na Emater é organizado conforme as demandas estaduais, municipais e as necessidades da comunidade local, principalmente os agricultores. As ações estão baseadas em três diretrizes: garantia de direitos das famílias rurais; assessoramento às suas organizações; e desenvolvimento sustentável e o compromisso de qualificação dos serviços prestados. A atuação ocorre de forma continuada, planejada, participativa e gratuita, e acontece de forma articulada com as parcerias locais, regionais e estaduais. A cada ano, são elaborados dois documentos importantes, que servirão de guia para o trabalho do extensionista: o Plano Operativo de Assistência Técnica e Extensão Rural/Social, que apresenta as atividades a serem trabalhadas, e o Relatório de Atividades, onde estão os resultados das ações desenvolvidas.

Tradicionalmente, em toda segunda-feira é realizada uma reunião da equipe. Nesta ocasião, são avaliadas as atividades realizadas na semana anterior, e planejadas as atividades a serem executadas na semana atual, a qual é denominada “agenda semanal”. Essa agenda serve de base para o trabalho. Porém, ela pode ser adequada conforme surgirem novas demandas.

As ações ocorrem através de contatos no escritório, visitas às propriedades, reuniões, oficinas, dias de campo, elaboração de projetos de crédito (custeio e investimentos), serviços de Proagro, participação em Conselhos Municipais e em eventos (feiras e expofeiras).

Sobre os Extensionistas da Emater

Catieli Klein

Em 2014, iniciou o trabalho como Extensionista  no município de Joia, atendendo as famílias de agricultores familiares, assentados  da reforma agrária e reassentados das barragens.  “Como era o início de meu trabalho, superei inúmeras dificuldades, tanto pessoais como profissionais – aprendizagens e muitas experiências que contribuíram para o trabalho na Extensão Rural”, diz ela.

Após, no ano de 2016, passou a trabalhar no município de Tapera, “onde, juntamente com meus colegas, Jair e Cirlene, buscamos desenvolver um trabalho que atenda às necessidades da comunidade e que promova a melhoria da qualidade de vida das famílias e o desenvolvimento de nosso município”, disse.

“Primeiramente, gostaria de agradecer aos taperenses que acolheram com muito carinho minha família e, principalmente, as famílias do meio rural com quem convivo diariamente. O ‘rural’ sempre esteve presente na minha vida, tenho orgulho de ser filha de agricultores. Ver alimentos sendo produzidos com muita dedicação motivou a buscar uma profissão ligada ao meio”, afirmou.

“Escolhi a extensão rural e escolheria outras vezes. É um processo que envolve muita troca de conhecimento, e isso nos motiva a buscar sempre o melhor. Hoje, posso dizer que ser extensionista é passar por transformações e aprendizagens diariamente, na busca do meu propósito: promover o desenvolvimento do meio rural com qualidade de vida,” concluiu.

Jair Ross

Foi contratado pela Emater em 1990, e iniciou as atividades no município de Colorado, prestando assistência técnica e extensão às famílias do interior através de diversas ações no meio rural, nos aspectos econômicos, social e ambiental. “Foi possível realizar um trabalho baseado na diversificação das atividades e na melhoria da renda das famílias”, disse ele.

Em Tapera, o extensionista iniciou suas atividades em 2013, prestando atendimento às famílias do interior de todas as localidades, sempre atendendo às necessidades do público assistido e dando continuidade do trabalho dos colegas que já trabalhavam junto à Emater local.

“Eu já conhecia o meio rural de Tapera, pois já havia trabalhado na Cotrisoja, no período de cinco anos, nesse sentido, facilitou para o andamento do trabalho na Emater”, disse Jair.

“Meu agradecimento à comunidade local pelo apoio que recebi desde o início dos trabalhos no município, à administração municipal, às entidades locais, às famílias do interior.                           Destaco que o resultado do trabalho somente é possível quando realizado de forma conjunta. Nesse sentido, é possível dimensionar os aspectos positivos em prol da melhoria das condições de vida das famílias do interior. Também, o meu reconhecimento às colegas Catiele e Cirlene, pelo comprometimento no desenvolvimento do trabalho”, concluiu Jair.