Tapera
Dia do Artista de Teatro: Patrícia Horbach fala sobre seu trabalho
24 agosto 2021 | Tapera
Compartilhe:

Patrícia Horbach, é graduada em Direção Teatral pela UFSM e também possui outras especializações nesta área. Ministra aulas de teatro nos projetos municipais de Tapera, e também, em alguns municípios vizinhos.

O Dia do Artista de Teatro é comemorado anualmente em 19 de agosto no Brasil. A data homenageia todos os profissionais que atuam em performances teatrais, e não apenas os atores e diretores, mas também os responsáveis pela sonoplastia, iluminação e figurino. Todas as funções são fundamentais para o sucesso de qualquer espetáculo teatral.

A professora Patrícia Horbach, de XV de Novembro, iniciou seus trabalhos em Tapera no ano de 2009. Assim, os projetos de teatro reuniram-se em um Espetáculo de Natal, onde perceberam a grande aceitação da comunidade e empenho da Administração para que o projeto desse certo. Sendo assim, o projeto do Grupo Municipal de Teatro acontece até os dias atuais, com as crianças, adolescentes, adultos, e até mesmo idosos. Trabalhos realizados independente da faixa etária.

Com o passar dos anos, tudo foi melhorando, a qualidade e empenho. Hoje acontecem produções em municípios maiores também, e tudo isso graças ao emprenho dos profissionais que estão envolvidos, professores e Administração Municipal, por terem este intuito de fazer um trabalho bem feito nesta área de Teatro.

Durante a pandemia, foi necessário parar com os trabalhos, pois o Teatro é uma arte que envolve muito contato com as pessoas. Os ensaios estão retornando aos poucos, atendendo a todos os protocolos de prevenção ao covid-19. O grupo adulto ainda não retornou e os demais, retornaram em alguns horários, em grupos menores. Os adolescentes e os jovens já retornaram com os ensaios, onde está sendo trabalhado com a produção do espetáculo Mágico, que, segundo a professora Patrícia, promete ser muito lindo e impressionante. O grupo pretende retornar com as apresentações em datas especiais e demais eventos da comunidade, mas ainda não se sabe como isso irá proceder.

A pandemia causou muitos impactos, e a professora Patrícia relata que passou por muitas dificuldades neste tempo, “mas graças a Deus a gente está retomando os trabalhos”, completa ela. Este trabalho é muito importante e as pessoas sentem falta dessas atividades, especialmente na parte da expressividade da comunicação, contato com o público e melhor desenvolvimento, e certamente o vínculo criado com os colegas e comunidade.  “Todos estão com os olhos brilhando e ansiosos para apresentar-se, ter o contato com o público, estamos todos ansiosos por esse retorno”, comenta a professora.

Enquanto profissional, Patrícia relata que durante este tempo sem poder trabalhar adquiriu novas ideias, com boas energias para o retorno.

A trajetória de Patrícia começou na adolescência. Aos seis anos de idade começou fazendo aulas de acordeon em Xv de Novembro e assim, foi surgindo o interesse pelo ramo cultural. “Na adolescência eu gostava de muito de música, cantava, participava de festivais, era desenhista da escola, sempre tive muita facilidade nessa área das artes e comunicação”, relata Patrícia.

A professora Patrícia trabalha em vários municípios, os quais estão retomando aos poucos com as atividades. “A minha intensão é sempre envolver mais pessoas no ramo artístico, cativar as pessoas e fazer com que tenham contato com o teatro”, frisa. Outro maior desejo é fazer com que as pessoas “se transformem e sejam tocadas pela arte, que vejam o mundo de outra forma, mais sensível e mais humana, um olhar diferente e transformador”, ressalta Patrícia.

Para a professora, o público é o que completa o teatro, a arte do teatro não existe sem o público. “É no momento da apresentação, da cena acontecendo que a troca se realiza, e esse é o momento mais importante. O público é fundamental e eu tenho um respeito enorme por ele, e eu não crio nada sem pensar no público”.

Para quem quer estudar Teatro e seguir em frente neste ramo, Patrícia diz que não é um caminho fácil, é uma escolha árdua, pois o artista precisa trabalhar muito sobre si mesmo, é um trabalho sobre si enquanto outras profissões possuem outros elementos.

“É um aprendizado para a vida inteira, mas que ao mesmo tempo que é difícil, é encantador e é apaixonante.  Que todos sigam seus sonhos e vão em busca de conhecimento e aprofundem-se cada vez mais. É preciso dedicação assim como as outras profissões”, concluiu Patrícia.