Escola de Educação Especial Etelvina Henrich desenvolve o projeto “Cada Um Procurando Seu Espaço”
17 dezembro 2021 |
Compartilhe:

Durante o segundo semestre de 2021, a turma da Educação de Jovens e Adultos (EJA) desenvolveu um projeto para o Programa União Faz a Vida (PUFV) que possuía como título “Cada um procurando seu espaço”. Este tinha como finalidade observar na comunidade taperense os espaços que as pessoas com deficiência, que passaram pela APAE, buscaram para se realizarem profissionalmente.

Segundo os alunos da turma, a ideia deste projeto surgiu durante as aulas remotas, pois no período pandêmico, os alunos viam-se afastados do contexto escolar e pensavam ser importante estarem inseridos no mercado de trabalho para terem um contato social. Foi assim que surgiram muitas dúvidas: quais as maneiras de conseguir um espaço no mercado de trabalho? O que é necessário para ingressar no mercado de trabalho? Quais as responsabilidades de um trabalhador? Como me realizo pessoalmente enquanto trabalho?

A professora da turma, Silvane Pauwels, destaca que as ações para responder as dúvidas dos alunos foram as mais variadas, desde entrevistas, visitas a locais que contratam pessoas com deficiência, palestra, leituras e pesquisas na internet. Para a professora, este projeto surgiu em um momento fundamental para uma visão geral do que é o mercado de trabalho e, ainda mais significativo, quando foi a partir da vivência de pessoas com deficiência que já frequentaram a escola e, até mesmo, foram colegas de alguns alunos da turma – pessoas que buscaram ir atrás de seus sonhos para se realizarem profissionalmente.

Os alunos destacam que foi fundamental conhecer a realidade do mercado de trabalho, seus direitos e deveres enquanto trabalhadores, a lei que garante acesso das pessoas com deficiência no mercado de trabalho (Lei 8.213/91), assim como as habilidades e responsabilidades necessárias em cada contexto que irá atuar. Além de perceber a realização e efetiva ação que as pessoas com deficiência possuem no seu local de trabalho, mostrando que cada um tem o direito de procurar seu espaço, buscando ser competente, atuante e, principalmente, realizado e feliz com o que faz.

A coordenadora pedagógica da escola, Jéssica Danieli Ramos, destaca que as turmas trabalham com pedagogia de projetos ao longo do ano letivo, pois esta metodologia proporciona a construção de conhecimentos realizada pelo próprio aluno, o desenvolvimento da autonomia e a formação de sujeitos mais críticos.

A APAE agradece aos estabelecimentos comerciais, Padaria Dona Elza, Lojas Benoit e Supermercado Santa Clara, que abriram as portas e receberam a todos tão bem para explicar as funções de cada entrevistado, assim como os ex-alunos Giovane, Mateus e Iago, que explicaram todas as suas funções e o que a experiência diária os ensinou.

A psicopedagoga Marilene Silva também foi uma pessoa fundamental na pesquisa, “pois ela, há muitos anos, busca oportunizar as pessoas com deficiência a inclusão no mercado de trabalho no município de Porto Alegre e cidades vizinhas”, frisa a coordenadora pedagógica, Jéssica Danieli. “A psicopedagoga nos proporcionou uma conversa sobre suas experiências e com uma menina que realiza acompanhamento. Assim, também conhecemos a realidade de outras cidades, e não somente a que está em nossa volta, ampliando olhares e visões”, complementa.

“Destacamos que a parceria com o PUFV é fundamental para orientar os professores em como organizar o projeto, até o recurso financeiro que proporciona novas vivências e diferentes materiais aos nossos alunos, que por vezes, de imediato, a escola não conseguiria proporcionar”, concluiu Jéssica.