Outubro Rosa: selbachense relata sua história de superação
1 novembro 2021 |
Compartilhe:

Carla Reis, de 52 anos, é casada e tem dois filhos. Reside em Arroio Grande, em Selbach, e trabalha como dona de casa.

Ela conta que descobriu o câncer de mama de 2012, em uma mamografia, que resultou inicialmente em um nódulo no seio, e assim, realizando exame de ecografia, constatou um cisto.

O médico pediu para Carla realizar exames a cada meio ano para acompanhar a situação, acompanhamentos, esses, que duraram até o início de 2014. Em 2015, retornando com exames, apareceu uma alteração, e assim, imediatamente foram marcados exames e cirurgia. Carla foi diagnosticada com câncer. “Eu perdi o chão. Eu não sabia o que fazer, entrei em desespero”, relata. Sendo assim, iniciou o tratamento.

Depois que Carla teve o câncer, segundo ela, sua vida mudou por completo. “ A gente fica mais sensível, preocupada e tensa”. Após o início do tratamento e da cirurgia, chegou o resultado dos demais exames, e felizmente, Carla não precisou fazer quimio nem radioterapia. “Eu fiz um tratamento somente com medições”, diz.

Durante seu tratamento, as consultas aconteciam de dois em dois meses, com a realização dos exames em Passo Fundo e Cruz Alta. “Era aquela tensão e preocupação, aquele medo de que algo nos exames tivesse sido alterado”.

“A gente tem que ser forte e pensar que tudo vai dar certo”. Atualmente, depois de cinco anos, no começo do mês de outubro, Carla foi para Cruz Alta, com todos os seus exames de sangue, pulmão, tórax, abdômen, mamografia, ecografia, tudo completo, levando todos os exames possíveis. “Levei lá e eu tive a grande notícia da minha alta. Continuo os meus exames, de ano em ano tenho que fazer. Já tenho a requisição dos exames pra fazer daqui a um ano, mas estou livre do medicamento, estou tranquila, estou me sentindo curada, estou aliviada”, relata.

“O que me motivou e me deu muita força durante esses cinco anos, primeiro, foi a minha família. Essa foi a essencial, a mais importante, e que me deu todo apoio e carinho, cuidado, a preocupação. Eles foram o meu alicerce. Eles estiveram comigo em todas as horas, choraram e riram comigo, a gente rezou juntos. Quando eu precisava consultar, sempre tinha alguém para me levar e me acompanhar, nunca me deixaram sozinha, sempre me deram forças, sempre fizeram eu acreditar que eu ia vencer, que eu ia conseguir passar por tudo isso. Isso me dá muita força. Assim, tenho mil motivos para vencer, pra ser forte pra confiar em Deus”.

Carla teve o apoio da Associação Selbachense de Combate ao Câncer (ASCCA), que lhe ajudou e apoiou muito.

Para as mulheres que estão em situação de câncer, Carla pede que confiem em Deus e tenham muita fé. “Quero que elas tenham muita força de vontade e fé em Deus, pensamento positivo, e que valorizem a vida. A gente tem muito o que viver. Então, a gente não pode se entregar”.

“Eu ofereço toda a minha ajuda a qualquer mulher que precisar, que quiser conversar comigo. Estou disposta. Você aceitar o câncer é uma grande dificuldade, mas depois que você aceita, tudo vai embora, tudo se ajeita, tudo se se encaixa, tudo vai bem”, conclui.