Tapera
Saúde Mental em tempos de pandemia
16 agosto 2021 | Tapera
Compartilhe:

Com a pandemia do coronavírus, a liberdade de ir e vir e o convívio social foram limitados. O distanciamento social foi indicado por governos e instituições de saúde no mundo todo. No entanto, a solidão causada por essas restrições levantou outra preocupação: a saúde mental na pandemia.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o país que apresenta maior prevalência de depressão na América Latina. É, também, o país mais ansioso do mundo. E, para profissionais da psicologia, a solidão é reconhecida como um gatilho – um impulsor – de transtornos de humor.

Frente a um cenário de pandemia, a comunidade médica se preocupa que uma epidemia paralela afete a saúde mental da população brasileira. Por isso, a psicóloga do CRAS de Tapera, Dirce Staudt Mocelin, aborda o tema “Saúde Mental em Tempos de Pandemia”.

“Antes de mais nada, precisamos entender o que é saúde mental. Em termos gerais, podemos definir como um estado de bem estar em que conseguimos:

  • Enfrentar as dificuldades, conflitos e adversidades normais da vida;
  • Estar cientes das próprias habilidades, limitações e limites;
  • Trabalhar de forma produtiva;
  • Contribuir para nossa comunidade.”

“Para uma boa saúde mental, precisamos ter equilíbrio nos nossos afetos, ou seja, nossas emoções e sentimentos. Emoção é uma reação imediata a um estímulo. São as reações fisiológicas que sentimos frente a situações, ocorrem em nível inconsciente. ‘Sentimentos’ é a percepção consciente e cognitiva que temos dessa emoção. Você nunca vai controlar as emoções, mas podemos treinar, influenciar, ressignificar aos poucos [elas] para se tornarem sentimentos que não nos prejudiquem”.

A profissional continua: “A pandemia veio para nos mostrar a imprevisibilidade da vida e para nos desapegar das expectativas que construímos, porque nossas expectativas estão na raiz de nossas frustrações. Frustração e imprevisibilidade geram ansiedade. É isso tudo que passamos desde que surgiu a pandemia: incertezas, imprevisibilidades e ansiedade. A ansiedade é uma resposta natural do nosso corpo, algo fisiológico essencial para a nossa sobrevivência. A ansiedade surge para nos mostrar que algo não está no lugar. Por isso, a importância de conhecermos nossas emoções e sentimentos e aprendermos a identificar o motivo que nos leva a senti-las. Por que falar tanto em ansiedade? Porque a ansiedade está na raiz de muitas doenças psíquicas. Se você tiver flexibilidade afetiva, flexibilidade comportamental, você tem uma estrutura que se adapta às mudanças, às expectativas criadas, e consegue lidar da melhor maneira possível”.

“Temos, hoje, uma sociedade de atalhos, com tendência a simplificar as coisas. Uma sociedade que acredita que em dois cliques consegue resolver um grande problema tende a ser menos equilibrada. Precisamos perceber que as coisas complexas precisam ser entendidas num passo de cada vez, e não com atalhos. Mas, para termos saúde emocional, precisamos investir nosso tempo e nossa energia. Para termos saúde mental, precisamos de rotina e controle do estresse.”

Rotina e hábitos:

  • Tenha rotina para dormir, acordar e para as refeições.
  • Tenha hábitos de alimentação saudável.
  • Estabeleça uma rotina de estudos e trabalho e procure cumprir.
  • Atividade física é praticar!
  • Organize seu dia.

Controle do Estresse:

  • Controle de nossas emoções.
  • Evitar substâncias nocivas ao organismo.
  • Praticar alguma religião.
  • Estude sempre.
  • Deixe momentos para lazer.
  • Pratique o perdão: perdoe-se, perdoe os outros.

“Saúde Mental também exige dedicação! Não existe milagre!”

“A imaginação é metade da doença, a tranquilidade é metade do remédio, e a paciência é o primeiro passo para a cura.” (Avicena)