Área Industrial enfim receberá licença de instalação
21 outubro 2017 |
Compartilhe:

Imbróglio vem desde 2011

Entre os anúncios feitos durante a Expoibi estava a licença de instalação (LI) da Área Industrial de Ibirubá. A área de 11,51 hectares foi adquirida em 2011, localiza-se na entrada da localidade de Linha Seis, hoje Rua Jeremias Marques de Oliveira, e criou muita controvérsia junto ao poder público.

A área não teve a licença liberada pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam). Até 10 hectares, o próprio município pode fazer o licenciamento.

O secretário de Indústria e Comércio, Olindo de Campos, reclamou das exigências da Fepam. “Na última vez, chegaram a solicitar um arqueólogo para verificar se existem restos de antiguidades de indígenas no local. Caso isso se confirmasse, a área seria interditada em definitivo”, revelou.

Para Olindo, a liberação da área é uma vitória não só para a administração, mas para os mais de 40 empresários que aguardam para instalar suas empresas no local. Ele relata que já a Administração Jandrey buscou o desmembramento da área, para que o município fizesse o licenciamento.

Área industrial fica na entrada da Linha Seis

Em julho foi contratada a empresa Ibirubá Florestal Ltda., do engenheiro Nelson Nicolodi, para assessoria técnica e jurídica, e o processo começou a andar. Integraram o trabalho também os engenheiros Ronald Stefanello e Sônia Freese e o geólogo Airton Fritsch.

O Município então emitirá a LI e o próximo passo será construir toda a insfraestrutura necessária: água, luz, calçamento e saneamento. A água, por exemplo, será fornecida através de um poço artesiano localizado na entrada da Linha Cinco, com capacidade de fornecer 14 mil litros/hora.

Após, é preciso a Licença de Operação (L.O.) A expectativa é que até o início do próximo ano as empresas já possam começar a se instalar no local. São 39 lotes, de 1500m² cada.

Olindo afirmou que mais de 40 empresários, de diferentes ramos da indústria, incluindo o metal mecânico, estão inscritos para instalar suas empresas no local. Os projetos serão avaliados por um conselho, nos próximos dias.

A ideia é vender os terrenos em condições facilitadas. “As parcelas pagas à municipalidade reverterão em um giro de capital, já que este dinheiro poderá ser investido em outras áreas essenciais ao desenvolvimento do município. Esta é, sem dúvida, uma grande conquista para a nossa comunidade”, acredita o secretário.

Após a liberação destes dez hectares, a municipalidade negociará outra área de 10ha, lindeira, de frente para a estrada da Linha Cinco.

 

Anúncio foi feito na Expoibi