Assassinato do Pe. Eduardo está prestes a completar dois anos. Processo está no TJ
4 março 2017 |
Compartilhe:

O processo que envolve a morte do padre Eduardo Pegoraro continua tramitando no Tribunal de Justiça de Porto Alegre, desde 7 de outubro do ano passado. O assassinato ocorreu em maio de 2015, na casa paroquial católica, centro de Tapera.

A Promotoria de Justiça da comarca entrou com recurso, no sentido restrito, por não concordar com a retirada da qualificação do homicídio por motivo torpe.

Motivo torpe quer dizer vingança, motivo vil, repugnante, insignificante para matar. A Promotoria vê importante esta qualificação na acusação do réu. O pedido de recurso entrou dia 10/10/2016, na 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJ-RS) e foi destinado para o relator, desembargador Diógenes Hassan Ribeiro. Aguarda-se o seu parecer.

 

Um crime brutal

O fato aconteceu em 22/05/2015, na casa paroquial da Paróquia Nossa Senhora do Rosário da Pompéia, em Tapera. A vítima foi atingida no tórax por dois disparos de arma de fogo. O Padre Eduardo morreu em seguida.

O acusado Jairo Paulinho Kolling estava com a esposa Patrícia Kolling, que também foi gravemente ferida. Ele responde o processo em liberdade.

7B TAPpadre1

Crime aconteceu dentro da casa paroquial

7B TAPpadre2

Em frente, foi construído um memorial ao religioso