Saúde
Automutilação: “Dor no corpo ameniza a dor da alma”
25 março 2017 | Saúde
Compartilhe:

O que leva a um adolescente a se automutilar? Trata-se de um comportamento autodestrutivo e silencioso. É o ato de machucar-se intencionalmente, de forma superficial, moderada ou profunda, sem intenção suicida consciente. A maior parte dos casos encontra-se na fase da adolescência, etapa de grandes experimentações, atingindo cerca de 20% da população jovem. Fase essa em que os pais devem estar mais atentos às expressões emocionais dos seus filhos. Alguns sinais como: autoestima baixa, intolerância à frustração, isolamento social, sintomas depressivos, são fatores que podem levar os jovens a praticar o Cutting.

Este comportamento começa como uma forma de “escape” a fim de aliviar as angústias e tensões. É como se fosse um “analgésico” para a dor emocional. O sofrimento apresentado sob marcas no corpo é uma mensagem que o sujeito encontrou para representar seu sofrimento. O jovem que se corta, sofre em silêncio, e representa sua dor emocional em vastas cicatrizes pelo corpo. Seria uma transferência da dor interna (psíquica) para a dor física (corpo).

Como ajudar?

Pais: se seu filho pratica a automutilação, não o julgue, não o critique. Ajude-o! Oferte a ele um espaço de comunicação, de suporte emocional, de segurança e compreensão. Paralelamente, busque ajuda médica e psicológica, a fim de ajudá-lo a entender suas angustias.

Professores, cuidadores, amigos: estejam atentos às pessoas ao seu redor. Alguém do seu lado pode estar em um profundo sofrimento. Acolha este jovem, demonstre estar disponível para escutá-lo e compreendê-lo. Oriente seus pais a lidar com esse problema.

 

LOUISE ZART

Psicóloga, Pós Graduanda em Psicologia Clínica (UPF)

Atendimento: Clinibel – Rua General Osório, 1300 – Ibirubá

FOTO: Psicóloga Louise Zart