Agricultura
Avicultura moderna: da produção intensiva à criação alternativa
31 agosto 2021 | Agricultura
Compartilhe:

Há décadas a avicultura vem concentrando esforços em pesquisas nas áreas de genética, nutrição, sanidade e manejo na criação de aves. Atualmente, em 42 dias um frango de corte é abatido com mais de 2,5 kg e menos de 1,7 a conversão alimentar. Esta produtividade deve-se à tecnologia e não ao uso de hormônios como muitos acreditam. Graças aos avanços obtidos na avicultura, que grande parte da população brasileira tem tido acesso à carne de frango em sua mesa, principalmente pelo preço mais acessível comparado com as outras fontes proteicas (carnes).

Os aviários modernos são climatizados e automatizados, a ambiência e bem estar animal estão também entre as prioridades atuais da criação. Ainda, a avicultura de corte, na maioria das propriedades, é desenvolvida em parceria entre empresa (integradora) e produtor  (avicultor). A integradora proporciona um pacote tecnológico que engloba assistência técnica, pintos de genética superior, nutrição adequada, manejos eficientes e alto controle sanitário proporcionando uma máxima produtividade a baixo custo.

Pequenos e médios produtores de aves não conseguem concorrer com esse sistema altamente produtivo. Para manter sua viabilidade tem duas opções: ou aderem à intensificação ou buscam por oferecer ao mercado produtos diferenciados em relação à qualidade, nesse caso, optam pela criação alternativa ou orgânica, como por exemplo o frango caipira ou ovos coloniais.

Um frango caipira demora de 80 a 90 dias para ser abatido. Nesse caso, os índices zootécnicos são mais baixos por motivos de uso de genéticas de crescimento lento, as quais são mais rústicas e resistentes ao sistema, restrições de uso de alguns alimentos, menor densidade de criação, o maior gasto energético pelo deslocamento das aves soltas entre outros, tornando mais alto o custo de produção, ou seja, o custo ao consumidor da carne de frango caipira ou ovos coloniais são maiores que o frango de corte ou ovos tradicionais (brancos ou avermelhados), entretanto o produto tem qualidade diferente.

A diferença entre os sistemas de criação, vai além de uma galinha livre e “feliz”. A carne do frango colonial tem outro sabor. E os ovos? Vale destacar que nem todo ovo é igual, se a casca é branca ou “avermelhada” se criados em mesmo sistema de criação, sua diferença restringe-se à cor da casca. Porém, ovos de aves criadas com acesso à forragem possuem uma concentração maior de betacaroteno do que ovos criados em sistema convencional (gaiolas ou galpão fechado). O betacaroteno é convertido em vitamina A, que atua como antioxidante, fortalece o sistema imunológico entre diversas outras funções benéficas ao organismo humano.

Carne de frango, carne de frango caipira, ovos brancos ou vermelhos, ovos coloniais são produtos da criação de aves e todos excelentes fontes de proteínas para alimentação humana. No dia 27/08 é dia do Avicultor, nosso reconhecimento pelo seu trabalho diário e dedicação na produção de alimentos nobres. Parabéns avicultores!

Autores:

Renata Porto Alegre Garcia, Zootecnista e doutora em Zootecnia, Professora de Zootecnia do Curso de Agronomia do IFRS Campus Ibirubá.

Décio Roberto Rauch Júnior, discente do Curso de Agronomia e membro do projeto Agro InForma.

Contato: [email protected]