Agricultura Ibirubá
Como o mercado da soja impacta no dia a dia do cidadão ibirubense
6 dezembro 2021 | Agricultura Ibirubá
Compartilhe:

A soja é a cultura agrícola de maior importância no Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, sendo também uma das commodities de maior impacto no agronegócio mundial. Nesse sentido, além de os produtores enfrentarem diversos riscos para a produção de soja, como riscos climáticos, fitossanitários, pragas, plantas daninhas, dentre outros, outro aspecto muito importante e diferente de vários outros setores é que o produtor não controla o preço da soja para vender seu produto, independentemente da demanda do seu trabalho na safra, e tudo isso interfere no seu dia a dia.

Para explicar de uma maneira clara e objetiva, entrevistamos o corretor Valdir José Marques, proprietário da Grão Forte Corretora de Grãos de Ibirubá.

“Para nossos amigos leitores do VR: você sabe como se forma o preço da soja? O preço da soja é determinado pela oferta e demanda do mercado internacional, baseando-se nos valores das bolsas, as quais avaliam as perspectivas de produção, áreas semeadas, dados de exportação e importação, perspectivas de demandas, estoques internacionais, consumos internos, entre outros, definindo, assim, as cotações. A bolsa principal de referência para a soja é a Bolsa de Chicago”.

Embora a cotação-base do preço da soja seja calculada a partir da Bolsa de Valores de Chicago, vários outros parâmetros são considerados para chegar ao preço local de cada país e de cada região produtora (geralmente o preço pago ao produtor). Entre estes parâmetros, estão prêmio de exportação, cotação do dólar, despesas de exportação, transporte e outros custos:

 

Então, como o preço da soja é calculado?

Resumidamente, o cálculo é realizado da seguinte forma:

Cotação na Bolsa de Chicago (US$ / bushel X dólar + ou – Prêmio de Exportação no Porto destino – Despesas de Exportação = Preço da soja posto no Porto (R$ / tonelada – já convertido pelo câmbio do dólar) – Despesas extras (Transporte, Outros custos) = Preço da soja regional (R$ / saca – já convertida a saca de 60 kg)

Observação: O bushel de soja equivale a 27,2155 kg.

Exemplo prático

Considerando os seguintes dados:

Fechamento na Bolsa de Chicago: US$ 12,00/bushel X o dólar

Prêmio de Exportação: + US$ 0,40/bushel

Despesas de exportação: US$ 20,00/tonelada

Câmbio: R$ 5,00

Frete e custos extras até o local: Exemplo – R$ 100/tonelada.

Cálculo:

Cotação na Bolsa de Chicago (US$ 12,00/bushel) + Prêmio de Exportação no Porto destino (+US$ 0,40/bushel) = US$ 12,40/bushel  = US$ 455,6218/tonelada (multiplica por 36,7437 para conversão de bushel para tonelada) – Despesas de Exportação (US$ 20,00/tonelada) = US$ 435,6218/tonelada = Preço posto no porto R$ 2178,11/tonelada (convertido para câmbio de R$ 5,00) – Despesas extras (Transporte, Outros custos) (R$ 100/tonelada) = R$ 2078,11/tonelada = Preço no local exemplo: R$ 124,68/saca (multiplica por 0,06 para conversão para saca de 60 kg).

Neste exemplo, o preço pago ao produtor será de R$ 124,68/saca, e serve para auxiliar na compreensão do tema, assim como orientar a maneira correta para calcular os preços e realizar simulações de cenários, tanto atuais, quanto cotações e perspectivas de parâmetros futuros. Para o sucesso profissional, um produtor necessita equilibrar custos de produção e investimentos e buscar boas produtividades, além de ser assertivo quanto ao melhor momento de preços de vendas.

 

Mas no que o mercado da soja interfere em nossa vida diária?

“Cientes de como a soja é comercializada, ag

ora entendemos um pouco mais de como isso afeta o nosso dia a dia, pois consumimos a proteína da soja, muitas vezes, sem perceber, pois ela está no biodiesel, em nosso óleo de cozinha, no farelo que alimenta o gado… Ou seja, se a exportação aumenta, falta produto interno. Consequentemente, tudo aumenta, e esse estoque interno está diminuindo cada vez mais, pois está crescente a demanda devido à grande exportação de carne suína e frango. Com isso, pagamos mais caro pelo óleo. Se faltar farelo para alimentar o gado, o pecuarista demora mais para engordar seu rebanho e, com isso, falta carne, e o pouco que se tem custa mais caro. Se as previsões do La Niña se confirmarem e não chover adequadamente, não teremos uma boa safra, e com isso, uma cadeia de problemas acontece, não somente em nível Brasil, mas mundial. A escassez de alimentos será mais visível do que nunca. Por isso, a importância de se ter uma boa safra e, principalmente, saber quando e como negociar a safra de soja devido à oscilação que o mercado sofre diariamente”.

Informações importantes dão conta de que o mundo produz cerca de 380 milhões de toneladas de soja. Somente o Brasil é responsável por 140, seguido pelos estadunidenses, que produzem 120 mil/t, e a Argentina, com 55 mil de toneladas de soja, que representa quase 80%. A China, o país mais populoso do mundo, produz 17 milhões de toneladas, mas importa cerca de 105 milhões de toneladas.

O mundo está de olho na safra 2021/2022 para que não faltem alimento, e para que “não aumentem ainda mais [os preços dos] produtos de consumo, é necessário que possamos colher uma boa safra”, finaliza Valdir.