Saúde
Continua controle do Aedes aegypti em Tapera
25 junho 2017 | Saúde
Compartilhe:

 

O problema de infestação do mosquito da dengue em Tapera persiste, apesar de as análises do material coletado mostrarem menor incidência de larvas. Não há registro até agora, mas o risco de uma epidemia das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti é grande.

O supervisor do Programa Nacional de Combate à Dengue, José Roberto Reck, explica que nas últimas análises das esperas, realizadas pela Secretaria Municipal de Saúde, foi verificada queda da incidência de larvas e mosquitos.

Rech aponta que isso deve-se ao frio. Acredita que com a chegada do inverno e as possíveis geadas, o declínio aumente, mas o cuidado deve continuar.

Prevenção

O cuidado que cada cidadão deve ter é o mesmo de sempre, evitar que surjam locais com o habitat propício à proliferação do mosquito. Isso significa eliminar todas as possibilidades de água parada, desde um pedaço de plástico, uma tampinha de garrafa, até um carro abandonado ou uma calha danificada. Alguns dos casos difíceis, segundo Roberto, estão relacionados a piscinas: “Não limpam, não cuidam, abandonam e pronto”, revelou.

A medida a ser adotada para esses casos é notificar e orientar sobre as providências a serem tomadas. Se a pessoa não colaborar, então o caso passa para o Judiciário.

Ação – A Secretaria Municipal de Saúde atua através da Vigilância Sanitária de forma contínua. As 26 agentes, mais o supervisor e a agente de endemias Angelina de Oliveira trabalham na limpeza do cemitério a cada 15 dias. Nas quartas-feiras é o Dia D abrir a porta”, quando eles vão em grupo de porta em porta em todas as áreas. Nas visitas normais das agentes, elas sempre abordam a questão da dengue.

Verão – Esta é a grande preocupação da saúde no município. Quando aumentar o calor, aumentarão consequentemente as infestações do Aedes. Muita gente está preocupada e cuida, mas como outros não e acabam prejudicando a coletividade.