Cotribá recebe primeiras cargas de soja da safra
6 janeiro 2018 |
Compartilhe:

Carlos Derlam entregou primeira safra na Cotribá

Variedade precoce teve produtividade média de 48 sacas/ha. Área foi atingida por intempéries

A Cotribá recebeu na última quarta-feira (03) as primeiras cargas de soja da safra 2017/2018, junto à unidade de Boqueirão, interior de Ibirubá. Os primeiros grãos saíram de uma lavoura superprecoce, cultivada pelo associado Carlos Gilberto Derlam em uma área de 100 hectares em Colônia São João, Cruz Alta.

Conforme Derlam, a colheita foi realizada nos dias 19 e 20 de dezembro e 1º e 3 de janeiro, com média de produtividade de 48 sacas por hectare. Mas, no entanto, a variabilidade dentro da mesma lavoura chamou a atenção. “Assim como tiramos pouco mais de 20 sacas em alguns lugares, em outros a produtividade saltou para 60”, relata o produtor.

Derlam e engenheiro agrônomo Vagner Ramalho Junior, técnico da Cotribá que assiste a propriedade, acreditam que as intempéries climáticas registradas nos dias 1º e 16 de outubro influenciaram diretamente no resultado da lavoura. “Na área de maior altitude a produtividade foi menor, justamente onde a plantação foi mais atingida pelo granizo e vendaval. Vale considerar também que choveu abaixo da média em setembro, logo após o plantio. Além disso, outro fator relevante refere-se às datas de plantio. A semeadura foi realizada nos dias 1º e 8 de setembro, sendo que a área cultivada oito dias mais tarde foi justamente a que mais produziu”, explica.

O manejo resumiu-se a duas aplicações de fungicidas e inseticidas e, apesar de a média ter ficado aquém do esperado, o associado garante que está satisfeito, já que um dos seus principais objetivos é escalonar a sua safra de soja. “Na primeira vez que cultivei essa lavoura superprecoce consegui 67 sacas por hectare e nunca mais atingi esse patamar, mas ainda assim considero vantajosa a experiência. Além de escalonar o plantio e minimizar o risco de perdas, o resultado da rotação de culturas é compensador. Tenho conseguido melhorar o controle de doenças e invasoras, além de dominar pragas importantes, como o raspador”, completa Derlam.

Na mesma área, o produtor está semeando soja novamente e tem boas perspectivas para a segunda safra, já que as condições de tempo e temperatura têm se apresentado favoráveis.