Ibirubá
Derrubada de árvores não nativas na praça central faz parte de projeto de revitalização
No local, serão plantadas árvores nativas
14 janeiro 2022 | Ibirubá
Compartilhe:

Quem passar pela praça General Osório, no centro da cidade, vai observar que o local está passando por uma “transformação”, isso porque algumas árvores estão sendo retiradas. O motivo? Segundo Nelson Nicolodi, do departamento do Meio Ambiente de Ibirubá, em entrevista ao Jornal Visão Regional, isso se deve ao projeto de revitalização do local e para trazer mais segurança aos munícipes, pois algumas árvores de grande porte estavam velhas, e seus galhos, caindo.

“Esse trabalho de retirada de árvores junto à praça General Osório já havia começado há cerca de dois anos e foi retomado nesta semana a pedido do prefeito para dar continuação ao projeto de revitalização. Falando especificamente da retirada das árvores, a remoção é de espécies exóticas, não nativas e também porque algumas oferecem um alto risco, e devido ao fato de elas serem de grande porte, alguns galhos quebravam e caíam, oferecendo risco aos usuários do local”, explica.

Outro problema que foi levado em conta para a retirada das árvores é o grande número de pombas no local, cujas fezes fazem com que determinados pontos da praça se tornem intransitáveis para a circulação e a atividade de lazer, como comenta Nicolodi:

“Chegavam até nós muitas reclamações em relação às pombas que ficavam nas árvores, e em determinados pontos da praça, as pessoas não podiam passar ou ficar embaixo das árvores devido à quantidade de sujeira que elas fazem. Então, estudou-se esse caso e, após reuniões e estudos, chegamos à conclusão de que seriam removidas as espécies exóticas na praça para serem substituídas por espécies nativas, as quais observamos que os pombos não ocupam para fazer seus ninhos, como é o caso dos ipês. Quem passar pelo local vai poder observar que não se tem fezes deixadas pelos pombos. Agora, caminhe por debaixo dos ligustros, que são exóticos: você não consegue ficar embaixo. Por analisar esse cenário, a gente autorizou a remoção de alguns ligustros – não todos, mas alguns onde que está tendo problema”.

Outra questão levada em conta foi os problemas de saúde que as árvores consideradas exóticas podem trazer para os munícipes.

“As árvores, além de serem exóticas para a nossa região, são consideradas alérgicas pra muitas pessoas, principalmente na época de floração, como é o caso da árvore que conhecemos por uva japonesa: uma espécie exótica e invasora [para a qual,] inclusive, se tem a recomendação dos órgãos estaduais para a sua eliminação porque ela é altamente invasora e agressiva. O pinheiro americano é uma árvore com mais de quarenta metros de altura, com diâmetro superior a um metro e totalmente imprópria, pois abaixo dela, não cresce grama, e as pombas e demais aves usam esses pinheiros como “casa” como referência por causa da altura. Tínhamos problemas do risco de queda de galhos – caíram vários, e felizmente, não atingiu nenhuma pessoa, mas poderia. Então, nesse objetivo que está sendo retirada”.

Ao todo, nessa etapa de revitalização, foram retiradas 14 árvores não nativas, mas serão plantadas no local árvores naturais da região, preservando a flora local. Além disso, será feita uma reformulação na praça, uma adequação no local, como, por exemplo, o palco, que será removido e realocado para um novo ponto. De acordo com Nicolodi, o projeto deverá demorar um pouco para ser finalizado. Ele pede a compressão dos munícipes, pois afirma que o resultado final será “benéfico” para todos os ibirubenses.

Foto 1: Nelson Nicolodi explica ao VR os motivos para a retirada das árvores da praça central

Foto 2: Equipe de obras fazendo a retirada das arvores não nativas