Educação Infantil: Município de Tapera garante vaga a todas crianças de quatro anos
3 fevereiro 2018 |
Compartilhe:

Trabalhos já foram retomados na nova EMEI

A municipalização da educação infantil, processo garantido na legislação há algum tempo que começa a ser cobrado agora pelo Governo do Estado, levará esse ano aos municípios a absorção das crianças de quatro anos, que completarem idade até 31 de março. Em 2019 entrarão para a rede municipal as crianças de cinco anos.

Em Tapera, o Município iniciou no ano passado a construção de uma nova escola para receber esses alunos, mas imprevistos com a empreiteira das obras levaram a mesma a não ficar pronta no início desse ano. A secretária de Educação Regina Salvadori, no retorno de suas férias, disse que o recebimento dessas crianças na rede municipal de educação está confirmada.

O processo acontecerá por zoneamento: as que moram no centro e bairros próximos terão aula no Instituto Nossa Senhora Imaculada, com uma sala cedida pela escola e professor do município. O currículo escolar será o mesmo do Estado, utilizado na escola para todos os alunos.

As crianças que se enquadram nessa faixa etária e residem nos bairros como Elisa e Brasília, terão vagas na educação infantil das escolas do municípios nos referidos bairros, Francisca Cerutti e Costa e Silva.

Segundo a diretora do Imaculada, Carla Yora, quem já deixou o nome na lista da instituição já pode encaminhar a documentação. Até a metade dessa semana 27 crianças deveriam realizar a matrícula.

A secretária Regina assegurou que todas as crianças de quatro anos terão vaga. “Ninguém vai ficar sem escola”, garantiu.

Quanto às obras da nova escola, ao lado a Prefeitura, na Avenida Tancredo Neves, Bairro Progresso, afirmou que a construtora retomou os trabalhos e deve cumprir o combinado. A meta é que aquele espaço esteja pronto até julho.

Segundo a professora Regina, o Governo Federal só libera os pagamentos à empreiteira, através do Fundo Nacional da Educação (FNDE), mediante a conclusão dos serviços, que podem ser feitos por etapa.

Isso irá garantir para o ano que vem a nova escola esteja em funcionamento, lembrou Regina.