Saúde
Hospital verifica aumento de atendimentos em Tapera
24 junho 2017 | Saúde
Compartilhe:

População deve se informar sobre como funciona o serviço

A equipe do Hospital Roque Gonzalez vêm enfrentando dificuldades no atendimento aos pacientes devido ao grande número de pessoas que procuram o plantão, muitas vezes, sem necessidade.

No último final de semana, a casa de saúde registou uma grande movimentação, 174 atendimentos, dos quais menos de dez eram urgentes. O atendimento no HRG é realizado devido a classificação de risco, não pela ordem de chegada.

Em reunião realizada na tarde de quinta-feira (22), entre Secretaria Municipal da Saúde e a direção do Hospital, os profissionais explicaram que em cada unidade de saúde do município há um médico, com carga horária de 40 horas.

O que se recomenda é que os pacientes procurem primeiramente o encaminhamento em sua unidade e façam uso do tratamento indicado pelo médico. Caso o estado de saúde não altere, aí é indicado que os pacientes procurem o atendimento no Hospital.

Recomenda-se também que cada paciente venha com apenas um acompanhante, já que o espaço físico da sala de espera é pequeno.

A direção do Hospital Roque Gonzalez e Secretaria de Saúde enfatiza que procura sempre atender todos os pacientes da melhor maneira possível, conforme a demanda, e conta com o auxílio da comunidade para que essas situações não retornem a acontecer.

Diretora administrativa Laura Jacques

 

Protocolo de avaliação e classificação de risco:

 Emergência: Politraumatismo, TCE, queimaduras graves, coma ou alteração de consciência, lesão da coluna vertebral, desconforto respiratório grave, dor no peito, falta de ar, cianose, vômito juntamente com a perda de consciência ou dor torácica por mais de 30 minutos, perfusão no peito/abdômen/cabeça, crise convulsiva, insuficiência exógena ou tentativa de suicídio, anafilaxia ou reações alérgicas, fraturas, parada cardiorrespiratória, hemorragias, ferimentos graves.

 Urgência: Dor forte de qualquer natureza, dor torácica intensa, história de convulsão, crise asmática ou desconforto respiratório, diabético/sudorese, alterações do estado mental, visão turva, febre alta (39ºC/40ºC), taquipnéia, taquicardia, náuseas com vômito e diarreia persistente, luxações, entorse com dor intensa, acidentes por animais peçonhentos.

 Pouca urgência: Idade superior a 60 anos, paciente escoltado, deficientes físicos ou impossibilitados de deambulação, asma fora de crise, enxaqueca, dor de ouvido moderada a grave, dor abdominal sem alterações dos sinais vitais, vômito e diarreia sem sinais de desidratação, abcessos, lombalgia intensa, distúrbios neurovegetativos, gastroenterite.

 Não urgência: Queixas sem alterações agudas, avaliação de resultados de exames, solicitação de atestados médicos, medicações de retorno, infecção de pele, gripe a vários dias, verminoses, alergias leves sem dispneia, pedir/mostrar exames.