Mais duas unidades da ESF completam 100% de cobertura em Ibirubá
20 janeiro 2018 |
Compartilhe:

Posto de Saúde Central terá duas equipes da Estratégia de Saúde na Família

Dentro da nova Política Nacional de Atenção Básica (PNAB), o Ministério da Saúde habilitou o Município de Ibirubá a implantar duas novas unidades da Estratégia de Saúde na Família (ESF) no Posto de Saúde Central (Postão). Totalizando seis unidades, o sistema permitirá uma cobertura de Atenção Básica em Saúde de 100% da população.

As equipes da ESF são responsáveis por acompanhar um número definido de famílias em uma determinada área. Desenvolvem ações de promoção da saúde, prevenção, recuperação, reabilitação de doenças mais frequentes, e na manutenção da saúde destas comunidade.

Ibirubá já conta com quatro ESFs, nas UBS Jardim, Floresta, Hermany e Alfredo Brenner. A primeira, do Bairro Floresta, foi implantada em 2008. A proposta das duas novas ESFs a serem implantadas foi debatida e aprovada pelo Conselho Municipal de Saúde.

Hoje, o atendimento da UBS “Postão” equivale a duas unidades ESF. Será utilizada a estrutura física e os recursos humanos já existentes. Portanto, é um procedimento organizacional e administrativo da Secretaria de Saúde (SMS), e, além de não acarretar ônus para o município, permite inclusive pleitear recursos estaduais e federais.

As agentes comunitárias de saúde já cobrem 100% na Atenção Básica, um trabalho de prevenção. A ESF situa-se no mesmo âmbito, com atendimento nas unidades básicas de saúde (UBSs).

Atualmente, a cobertura da Saúde da Família é de 60% a 70% da população. Cada uma atende um determinado território e população de 2 a 4 mil pessoas por unidade ESF.

A Reportagem ouviu a secretária Carlota Artmann na tarde de quarta-feira. Ela explicou que a partir de agora será feito o projeto e toda a parte burocrática. Juntamente com a enfermeira Joice Marques, elas preveem que todo o processo seja concluído em alguns meses.

Tudo isso resulta em uma melhor organização, o que se entende em otimizar o atendimento e aplicar melhor os recursos. No aspecto prático, melhora a cobertura da atenção básica e a população poderá participar de mais programas de saúde, específicos para determinadas clientelas.

A PNAB vê a Atenção Básica (ou Primária) como o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção, proteção, diagnóstico, tratamento, reabilitação, redução de danos, cuidados paliativos e vigilância em saúde, desenvolvida por meio de práticas de cuidado integrado e gestão qualificada, realizada com equipe multiprofissional e dirigida à população em território definido

 Secretária Carlota Artmann

Estratégia Saúde da Família

A Estratégia Saúde da Família (ESF) visa à reorganização da atenção básica no País, de acordo com os preceitos do Sistema Único de Saúde, e é tida pelo Ministério da Saúde e gestores estaduais e municipais como estratégia de expansão, qualificação e consolidação da atenção básica por favorecer uma reorientação do processo de trabalho com maior potencial de aprofundar os princípios, diretrizes e fundamentos da atenção básica, de ampliar a resolutividade e impacto na situação de saúde das pessoas e coletividades, além de propiciar uma importante relação custo-efetividade.

Um ponto importante é o estabelecimento de uma equipe multiprofissional (equipe de Saúde da Família – eSF) composta por, no mínimo:

  • médico generalista, ou especialista em Saúde da Família, ou médico de Família e Comunidade;
  • enfermeiro generalista ou especialista em Saúde da Família;
  • auxiliar ou técnico de enfermagem; e
  • agentes comunitários de saúde.

Podem ser acrescentados a essa composição os profissionais de Saúde Bucal: cirurgião-dentista generalista ou especialista em Saúde da Família, auxiliar ou técnico em Saúde Bucal.

É prevista, ainda, a implantação da Estratégia de Agentes Comunitários de Saúde nas Unidades Básicas de Saúde como uma possibilidade para a reorganização inicial da atenção básica com vistas à implantação gradual da ESF ou como uma forma de agregar os agentes comunitários a outras maneiras de organização da atenção básica.

Cada equipe de Saúde da Família (eSF) deve ser responsável por, no máximo, 4.000 pessoas, sendo a média recomendada de 3.000 pessoas, respeitando critérios de equidade para essa definição. Recomenda-se que o número de pessoas por equipe considere o grau de vulnerabilidade das famílias daquele território, sendo que, quanto maior o grau de vulnerabilidade, menor deverá ser a quantidade de pessoas por equipe.

 Objetivo da Estratégia Saúde da Família

A Estratégia Saúde da família (ESF) foi criada pelo Ministério da Saúde com o objetivo de consolidar o Sistema Único de Saúde (SUS) que tem como base os princípios de acesso, tais como a equidade, integralidade e universalidade e, também, princípios organizativos como a descentralização, participação da comunidade e regionalização. A ESF é fundamentada na abordagem coletiva, multi e interprofissional, centrada na família e na comunidade e é composta por equipes saúde da família que envolve enfermeiros, médicos, técnicos em enfermagem, odontólogos e Agentes Comunitários de Saúde (ACS).

Histórico da Estratégia Saúde da Família

Antes do SUS, ou seja, antes da Constituição Federal de 1988, só quem direito à saúde era quem podia pagar por ela ou trabalhadores de carteira assinada. Até a década de 1980, aproximadamente metade da população era excluída e uma pequena minoria tinha acesso eventualmente às Santas Casas de Misericórdia. Somente com o movimento chamado de ‘Reforma Sanitária Brasileira, a saúde passou a ser um “Direito de todos e dever do estado” através da criação da Constituição Federal de 1988, que, no seu artigo 196 diz:

 Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação. (BRASIL, 1988)

 Na década de 1990, para que o direito universal à saúde fosse colocado em prática, exigiu-se nova organização. A Estratégia Saúde da Família surgiu como um programa: o Programa Saúde da Família (PSF), que teve início em 1991 com a implantação do Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) principalmente nas regiões Norte e Nordeste do país com as finalidades de diminuir a mortalidades infantil e materna.

O Ministério da Saúde lançou em 1994 o PSF como política nacional da atenção básica com caráter organizativo e substitutivo em relação ao modelo hegemônico médico-curativista e hospitalocêntrico. (com informações do Portal Saúde, do Ministério da Saúde, e do enfermagemesquematizada.com.br)