Museu traz exposição do fotógrafo Sebastião Salgado
12 maio 2017 |
Compartilhe:

A 15º Semana Nacional de Museus, promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) acontecerá em todo o país a partir da próxima segunda-feira (15) até o dia 21/5. Ibirubá integra a programação desde a última quarta-feira (10), com exposição fotográfica de Sebastião Salgado junto ao Museu Municipal Theobaldo Becker, o que se deve se estender até o dia 26/5.

Conforme a professora Ivanisa Coreti Lenz, responsável pelo Museu em Ibirubá, o tema instituído pelo Ibram que norteará as atividades neste ano é “Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus”. Assim, ela buscou junto a outros museus um acervo que pudesse ser emprestado para a exposição em Ibirubá. O Museu Municipal de Caxias do Sul cedeu a Ibirubá a guarda da exposição “Êxodos”, de Sebastião Salgado – um conjunto de 60 quadros (fotografias) retratando adultos e crianças que sofrem pelo exílio.

Para lançar a programação da 15ª Semana em Ibirubá, o Departamento de Cultura organizou um rápido ato de abertura na tarde de quarta-feira, com a presença da secretária municipal Mariana Ribas Moraes, presidente da Câmara Dileta Chagas, equipe da SMECD e uma turma de alunos da Escola Santa Teresinha.

O horário de atendimento do Museu é de segunda a quinta-feira, das 13h30min às 17h, e nas sextas-feiras pela manhã, das 7h30min às 11h30min. Escolas e grupos devem agendar visitas com a professora Ivanisa pelo telefone (54) 3324-3007.

Sebastião Salgado

Mineiro de 73 anos, Sebastião Salgado é um renomado fotojornalista que nos anos 60 foi exilado político, vivendo no exterior. Ele também é autor de vários livros. Salgado visitou 40 países em seis anos, e fotografou pessoas e situações que fossem similares a sua de exílio e de migração por questões de guerra. É colaborador de organizações humanitárias como a Unicef, dentre outras. Sua principal característica é fotografar em preto e branco.

Na introdução da Exposição Êxodos, escreveu “Mais do que nunca, sinto que a raça humana é somente uma. Há diferenças de cores, línguas, culturas e oportunidades, mas os sentimentos e reações das pessoas são semelhantes. Pessoas fogem das guerras para escapar da morte, migram para melhorar sua sorte, constroem novas vidas em terras estrangeiras, adaptam-se a situações extremas…”.