Saúde
Controle a gula e viva com mais saúde
29 janeiro 2021 | Saúde
Compartilhe:

O Dia da Gula é celebrado anualmente em 26 de janeiro. Por isso, o Jornal da Integração conversou com a Nutricionista, Eduarda Werlang, para falar sobre este assunto: como dominar a gula?

O prazer de comer é algo natural ao ser humano. É o que torna o ato de alimentar-se agradável. Mas esse prazer pode tornar-se um problema quando a pessoa exagera na busca de saciar essa necessidade.

Classificada como um pecado capital, por ser um pecado que gera outros, a gula acarreta males à própria pessoa, como doenças ou obesidade.

A gula pode estar associada a vários fatores, entre os quais, a busca pelo prazer ou um desequilíbrio emocional. Nesse último aspecto, o ato de comer pode tornar-se uma compensação, como forma de lidar com dificuldades que a pessoa esteja vivendo.

O que muitos não imaginam é que ser um ‘compulsivo’ por comida pode estar relacionado a uma predisposição genética para o desenvolvimento do transtorno alimentar, acompanhado de fatores neurobiológicos. Além disso, muita gente que passa por isso também sofre de depressão, ansiedade e outros transtornos psíquicos. Além de comer muito, a pessoa apresenta ainda grande angústia por não conseguir controlar a sua alimentação, além de sentimento de culpa, arrependimento e fracasso por perder o controle.

Você sabe diferenciar a fome da vontade de comer!? Você conhece os tipos de fome?

FOME FISIOLÓGICA: você sente desconforto gástrico, sintomas como dor de cabeça, há realmente necessidade de calorias e nutrientes. Neste tipo de fome você comeria qualquer alimento disponível, ou seja às vezes até um que você não costuma gostar tanto ou ter hábitos.

FOME SOCIAL: Está relacionado a uma situação social. Exemplo são as festas e eventos, comemos no “modo automático”, às vezes nessa fome perdemos o controle e comemos mais do que deveríamos, muitas vezes porque as comidas são mais saborosas e disponíveis! NÃO VÁ COM MUITA FOME PARA EVENTOS!

FOME EMOCIONAL: Ela é geralmente percebida como necessidade de preencher algo, comer algo gostoso. Ela muitas vezes vem com uma necessidade de comer quantidades maiores e com urgência.

Procure fazer as pazes com a comida e seu corpo. Comida não é castigo, não é tristeza, não é problema. Comida também pode ser gostosa! Descubra o prazer de comer bem, e naqueles dias degustar alimentos não tão saudáveis, porque é afetivo, é gostoso e vocês merecem.

Colaboração: Nutricionista Eduarda Werlang – CRN2 8581

Tel. (54)9 9964-9131