Poluição sonora volta a tirar o sossego de moradores na região central de Ibirubá
22 outubro 2021 |
Compartilhe:

Dormir virou uma atividade quase impossível para os moradores dos prédios e residências localizadas na rua General Osório, área central da cidade. O motivo é um só: a algazarra praticada por grupos de jovens e seus sons altos nas madrugadas.

Uma moradora relatou à redação do VR que as movimentações começam, muitas vezes, já na quinta-feira, e só terminam ao amanhecer do dia. “Quando eles começam, ninguém dorme mais. A gente fica desesperada. Parece uma cidade sem lei. Até as sete horas da manhã, de quinta a domingo, eles fazem o que querem”, desabafou.

Além dos transtornos causados pelo barulho alto do som, das gargalhas e conversas, existe também o fato de essas pessoas se aglomerarem sem máscaras, contrariando medidas preventivas referentes ao coronavírus, já que essas foram flexibilizadas recentemente. “É uma festa só, tudo liberado”, comenta.

Segundo o soldado Klein, a Brigada Militar de Ibirubá vem fazendo o possível para inibir os excessos, mantendo o patrulhamento de viatura com policiais na maior parte da noite e, durante a madrugada, nos locais de maior reclamação. “Recebemos várias denúncias no [telefone] 190 durante todo o final de semana, mas é preciso que os incomodados registrem a ocorrência. Isso ajuda a coibir, porque quando os infratores avistam a BM, desligam o som”, explica.

Nas próximas semanas, a Brigada Militar de Ibirubá estará realizando uma série de barreiras móveis em vários pontos da cidade a fim de conter esses tipos de atitudes.