Professores da Escola Ibirubá também entram em greve
16 setembro 2017 |
Compartilhe:

Três escolas têm funcionamento parcial; apenas uma segue com aula normal

A Greve dos Professores iniciada dia 5 continua mobilizando a categoria e ganhando apoio da população. Professores estaduais de todo o Rio Grande Sul protestaram quinta-feira à tarde (14) na Praça da Matriz, em Porto Alegre, em frente ao Palácio Piratini, contra o parcelamento de salários, dentre outras reivindicações. Com repressão característica dos governos autoritários, que não dialogam com a sociedade, a segurança foi reforçada, com grades para impedir a aproximação dos educadores.

Conforme o Cpers/Sindicato, além do parcelamento, as perdas salariais já acumulam 21,48% – o último reajuste ocorreu em 2014. A Secretaria de Educação do RS (Seduc) informou, através de assessoria de imprensa, que apresentou a situação financeira do Estado ao Sindicato. O discurso é de que há um déficit do Estado de mais de R$ 1 bilhão, e que o RS tem apenas R$ 119 milhões para a folha salarial de cerca de 350 mil matrículas. Em razão do não cumprimento das solicitações, o Cpers decidiu quinta-feira manter a mobilização em todo o RS.

A greve já dura dez dias e, de acordo com levantamento da Seduc, ao menos 40% das escolas do RS aderiram à mobilização. Ao todo, são 492 escolas paradas, e 513 com aulas parciais. O levantamento, porém, leva em conta apenas informações repassadas pelas Coordenadorias Regionais de Educação (CREs), porém o número pode ser ainda maior, pois algumas escolas não repassaram sua situação para as coordenadorias. Conforme levantamento da 9ª CRE Cruz Alta, a qual pertence Ibirubá, são 21 escolas em greve total e sete em funcionamento parcial na região.

Como está a greve em Ibirubá

Ibirubá tem cinco escolas estaduais. Confira a situação de cada uma delas:

  • IEE Edmundo Roewer: Após ter anunciado greve geral na semana passada, seguem paralisados os turnos da manhã e noite. Os alunos do Ensino Fundamental (tarde) têm aulas normalmente esta semana
  • Escolas General Osório e Hermany: Funcionamento parcial, em turno reduzido (cerca de 70% do horário cumprido)
  • Escola Edison Quintana: Única que segue em funcionamento normal
  • Escola Ibirubá: Decidiu ontem pela manhã entrar em greve a partir de segunda-feira (18), pelo menos até dia 22, quando haverá nova reunião

R$ 350 é tapa na cara do funcionalismo

O Governo Sartori confirmou quarta-feira (13) a integralização dos valores finais da folha de pagamento dos servidores. Dia 31 de agosto haviam sido depositados apenas R$ 350 como primeira parcela do salário – a menor já paga desde que começaram os atrasos. Ainda, na data, foi pago o valor correspondente à nona parcela do 13º salário de 2016, o que motivou protestos e até registros de boletins de ocorrência pelos professores.

A Secretaria da Fazenda informou que precisa de pouco mais de R$ 557 milhões em caixa para pagamento da folha dentro do prazo estimado, no início do mês. Os recursos têm origem no recolhimento de ICMS na Indústria e Comércio, que ocorreu na terça-feira (12). Ainda conforma a Secretaria, foi conquistada recentemente liminar junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), a qual desobrigou o RS ao pagamento mensal da dívida com a União, o que ajudou a efetivação total dos pagamentos.

Confira o calendário de pagamentos da folha de agosto:

31/8 – R$ 350 (R$ 119,6 milhões)

31/8 – 9ª parcela do 13º salário de 2016 (R$ 102 milhões)

4/9 – quitação da folha das fundações (R$ 25 milhões)

6/9 – R$ 170 (R$ 57,7 milhões)

8/9 – R$ 280 (R$ 93,9 milhões)

11/9 – R$ 400 (R$ 125 milhões)

12/9 (manhã) – R$ 800 (R$ 192,5 milhões)

12/9 (início da noite) – R$ 750 (R$ 126,1 milhões)

13/9 (manhã) – R$ 3 mil (R$ 268,9 milhões)

13/9 (manhã) – Saldo (R$ 162,2 milhões)