Religião
Quarta-feira de cinzas abre Quaresma e católicos se preparam para Páscoa
28 fevereiro 2020 | Religião
Compartilhe:

Um dia após o Carnaval é celebrada a Quarta-feira de Cinzas dando início à Quaresma, tempo de preparação para a Páscoa. A Quarta-feira de Cinzas é uma celebração que está no Missal Romano, o qual explica que no final da Missa, abençoa-se e impõe-se as cinzas obtidas da queima dos ramos usados no Domingo de Ramos do ano anterior.

As cinzas representam a penitência e demonstram nossa condição de mortais a qual retornaremos ao pó. No momento da imposição o padre ou ministro proferem as seguintes palavras: “convertei-vos e crede no evangelho” e então as cinzas são aplicadas em forma de cruz na testa dos fiéis.

Qualquer pessoa pode receber este sacramental, inclusive os não católicos. Como explica o Catecismo, “sacramentais não conferem a graça do Espírito Santo à maneira dos sacramentos; mas, pela oração da Igreja, preparam para receber a graça e dispõem para cooperar com ela”.

Os 40 dias da Quaresma representam o mesmo número de dias que Jesus passou no deserto antes de começar sua vida pública, os quarenta dias do dilúvio, os quarenta dias da marcha do povo judeu pelo deserto, os quarenta dias de Moisés e Elias na montanha e os 400 anos que durou a estadia dos judeus no Egito.

Na Bíblia, o número quatro simboliza o universo material, seguido de zeros significa o tempo de nossa vida na terra, seguido de provas e dificuldades. A cor litúrgica deste tempo é o roxo, que significa luto e penitência. É um tempo de reflexão, penitência, conversão espiritual; tempo para preparar o mistério pascal.

 

Origem do termo

Quaresma é abreviação de “quadragésima”. Na frase latina, em questão, quadragésima está no feminino porque, em latim, dia, além de masculino, é também feminino. A língua portuguesa manteve a palavra no feminino. Eis a frase em questão: “Quadragésima die Christus pro nobis tradétur”, que se traduz assim: “Daqui a 40 dias (no quadragésimo dia), Cristo será entregue por nós”

Por volta do ano 350 d.C., a Igreja decidiu aumentar o tempo de preparação para a Páscoa, que era de três dias, que permaneceram como o Tríduo Sagrado da Semana Santa: Quinta feira Santa, Sexta-feira Santa (Paixão) e Sábado Santo.

A preparação para a Páscoa passou, então, a ter 40 dias. Isso aconteceu porque os cristãos perceberam que três dias eram insuficientes para que se pudesse preparar adequadamente tão importante evento. Surgia, assim, a Quaresma.

 

Práticas quaresmais

A oração é uma condição indispensável para o encontro com Deus no período quaresmal. Outra prática, a mortificação, se realiza cotidianamente e sem a necessidade de fazer grandes sacrifícios. Com ela, são oferecidos a Cristo aqueles momentos que geram desânimo no transcorrer do dia e se aceita com humildade, gozo e alegria, todas as diversidades que chegam.

Apesar disso, uma das mais conhecidas práticas do período da quaresma é o jejum ou abstinência. O jejum consiste em fazer uma refeição forte por dia, enquanto a abstinência consiste em não comer carne. Com ambos os sacrifícios, é reconhecida a necessidade de fazer obras para reparar o dano causado pelos pecados e para o bem da Igreja.