Política
Sumiço de gravação da Câmara vira caso de polícia
Sistema de alarme da sede do Legislativo foi avariado
14 junho 2016 | Política
Compartilhe:

Ibirubá – A sessão da Câmara de Vereadores ocorrida no dia 13 contou com algumas particularidades interessantes. Na ocasião, foi realizada uma homenagem para o ibirubense João Antenor dos Santos, e também foram discutidas diversas pautas, como projetos de complementação ao Plano Diretor e projeto para contratação emergencial de professor. Mas o que chamou a atenção não foi nada disso, e sim um fato, no mínimo, inusitado: a violação da gravação da sessão, e mais do que isso, a violação do sistema de alarmes da Câmara Municipal.

A Reportagem do VR conversou com o presidente Olindo de Campos sobre o assunto. Conforme ele, seu assessor verificou todos os aparelhos de gravação à tarde, estava tudo normal. A sessão também transcorria assim quando foi percebido que não estava sendo gravada. “Fomos verificar o que estava errado, e percebemos que alguém tirou dois fios do painel de áudio, os quais davam acesso às mesas para gravação. Provavelmente foram arrancados pouco antes do início da sessão”, acredita Olindo.

Como se não bastasse, o sistema de alarmes também teria sido danificado. “Quando meu assessor foi fechar a Câmara, após a sessão, por volta da meia noite, constatou que os alarmes não estavam funcionando. No outro dia, verificamos que haviam sido alterados alguns cabos junto à recepção da Câmara e colocados na voltagem errada, o que acabou danificando todo o sistema de alarme. Talvez quem tenha feito isso tinha algum interesse em entrar na Câmara na madrugada, mas felizmente isso não ocorreu”, explicou.

O fato de a gravação ter sumido causou estranheza para muitos, principalmente para a imprensa local, já que os pronunciamentos em tribuna são liberados para a imprensa e transmitidos aos ouvintes. A especulação corrente é de que vereadores anunciaram suas candidaturas durante a reunião, por isso a necessidade de apagar os registros.

Diante do fato, Olindo registrou um boletim de ocorrência (BO) junto à Delegacia de Polícia na terça-feira (14). Agora, caberá à Justiça investigar o caso. Ainda não há suspeitos.